Moedas: “Na Europa ninguém sabe o que são o BE e o PCP”

  • ECO
  • 22 Julho 2018

Comissário europeu para a Ciência e Inovação destaca trabalho do PS na credibilização do país na Europa, mas critica o "discurso visceral contra as empresas" dos seus parceiros na geringonça.

O comissário europeu para a Ciência, Investigação e Inovação, Carlos Moedas, elogia o desempenho do Partido Socialista no Governo, “que tem continuado a credibilizar o país” na Europa, mas critica duramente os dois parceiros da esquerda, Bloco de Esquerda e Partido Comunista, que “visceralmente, não gostam de empresas privadas”.

“A geringonça tem duas partes: tem uma parte de um partido social-democrata em termos europeus, que é o Partido Socialista, que tem uma visão muito equilibrada do mundo e tem tido um olhar em relação às empresas. Depois tem dois partidos – o Bloco de Esquerda e o Partido Comunista – que, visceralmente, não gostam de empresas privadas e isso é grave”, considera Carlos Moedas em entrevista ao Diário de Notícias (acesso livre).

“Em Portugal, às vezes, não temos essa noção e damos alguma desculpa a algum discurso totalmente antiempresarial. Acho que as pessoas têm, de uma vez por todas, de levantar a voz contra esse tipo de discurso. As empresas privadas são importantes, são as empresas privadas que dão emprego. Podemos falar da ideologia do PCP e do BE, mas acho que o pior é esse discurso visceral contra as empresas”, diz ainda.

"Acho que as pessoas têm, de uma vez por todas, de levantar a voz contra esse tipo de discurso. As empresas privadas são importantes, são as empresas privadas que dão emprego. Podemos falar da ideologia do PCP e do BE, mas acho que o pior é esse discurso visceral contra as empresas.”

Carlos Moedas

Comissário europeu para a Ciência, Investigação e Inovação

Carlos Moedas considera que a imagem de Portugal lá fora é boa. “Vejo um Partido Socialista que tem vindo a cumprir tudo o que se comprometeu com a Europa, que tem continuado a credibilizar o país. Essa é a imagem que se tem de fora”, afirma.

“Mas de fora os meus colegas não estão a ver o Bloco e o PCP. Eles tornam-se, internacionalmente, invisíveis. Ninguém está a ver os detalhes. Quando estamos na Europa ninguém sabe o que são o BE e o PCP, mas aqui tem esse efeito de serem partidos contra as empresas“, explica o comissário europeu.

Na mesma entrevista, Carlos Moedas fala da negociação do orçamento comunitário para o período 2021-2027 e dos cortes que deverão afetar os fundos destinados Portugal. “Pode ter havido um mau começo, mas ao que se chegou na proposta é bastante equilibrado. Ou seja, Portugal conseguiu ter cortes na parte estrutural e agrícola inferiores à média e há países que têm cortes muito superiores”, destaca o responsável.

“Acho é que até se fechar isto tudo com os países Portugal ainda corre riscos e pode haver algum problema. (…) Penso que se conseguíssemos manter o que já temos seria uma grande vitória”, diz.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moedas: “Na Europa ninguém sabe o que são o BE e o PCP”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião