Moedas: “Na Europa ninguém sabe o que são o BE e o PCP”

  • ECO
  • 22 Julho 2018

Comissário europeu para a Ciência e Inovação destaca trabalho do PS na credibilização do país na Europa, mas critica o "discurso visceral contra as empresas" dos seus parceiros na geringonça.

O comissário europeu para a Ciência, Investigação e Inovação, Carlos Moedas, elogia o desempenho do Partido Socialista no Governo, “que tem continuado a credibilizar o país” na Europa, mas critica duramente os dois parceiros da esquerda, Bloco de Esquerda e Partido Comunista, que “visceralmente, não gostam de empresas privadas”.

“A geringonça tem duas partes: tem uma parte de um partido social-democrata em termos europeus, que é o Partido Socialista, que tem uma visão muito equilibrada do mundo e tem tido um olhar em relação às empresas. Depois tem dois partidos – o Bloco de Esquerda e o Partido Comunista – que, visceralmente, não gostam de empresas privadas e isso é grave”, considera Carlos Moedas em entrevista ao Diário de Notícias (acesso livre).

“Em Portugal, às vezes, não temos essa noção e damos alguma desculpa a algum discurso totalmente antiempresarial. Acho que as pessoas têm, de uma vez por todas, de levantar a voz contra esse tipo de discurso. As empresas privadas são importantes, são as empresas privadas que dão emprego. Podemos falar da ideologia do PCP e do BE, mas acho que o pior é esse discurso visceral contra as empresas”, diz ainda.

"Acho que as pessoas têm, de uma vez por todas, de levantar a voz contra esse tipo de discurso. As empresas privadas são importantes, são as empresas privadas que dão emprego. Podemos falar da ideologia do PCP e do BE, mas acho que o pior é esse discurso visceral contra as empresas.”

Carlos Moedas

Comissário europeu para a Ciência, Investigação e Inovação

Carlos Moedas considera que a imagem de Portugal lá fora é boa. “Vejo um Partido Socialista que tem vindo a cumprir tudo o que se comprometeu com a Europa, que tem continuado a credibilizar o país. Essa é a imagem que se tem de fora”, afirma.

“Mas de fora os meus colegas não estão a ver o Bloco e o PCP. Eles tornam-se, internacionalmente, invisíveis. Ninguém está a ver os detalhes. Quando estamos na Europa ninguém sabe o que são o BE e o PCP, mas aqui tem esse efeito de serem partidos contra as empresas“, explica o comissário europeu.

Na mesma entrevista, Carlos Moedas fala da negociação do orçamento comunitário para o período 2021-2027 e dos cortes que deverão afetar os fundos destinados Portugal. “Pode ter havido um mau começo, mas ao que se chegou na proposta é bastante equilibrado. Ou seja, Portugal conseguiu ter cortes na parte estrutural e agrícola inferiores à média e há países que têm cortes muito superiores”, destaca o responsável.

“Acho é que até se fechar isto tudo com os países Portugal ainda corre riscos e pode haver algum problema. (…) Penso que se conseguíssemos manter o que já temos seria uma grande vitória”, diz.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moedas: “Na Europa ninguém sabe o que são o BE e o PCP”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião