Sindicato dos bancários afasta-se de greve na CGD e avança para negociações com administração

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários não se associa à greve na Caixa Geral de Depósitos marcada para o dia 24. Vai avançar com negociações com administração para repor rendimentos.

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) não vai associar-se à greve na Caixa Geral de Depósitos (CGD) marcada para o dia 24. Embora considere “despropositado” o tempo e o modo como a administração do banco apresentou a denúncia do acordo de empresa, Paulo Gonçalves Marcos, líder do sindicato, pretende iniciar negociações para repor os rendimentos e os direitos dos trabalhadores do banco público. E convida todos os sindicatos do setor a formar uma mesa negocial única.

“No limite, não descartamos nada, o que quer dizer que está tudo em cima da mesa. Mas o objetivo é chegar a um acordo, porque acreditamos que é tempo de reposição dos rendimentos dos trabalhadores da CGD. E, por isso, convidamos os outros sindicados a juntarem-se a nós neste objetivo”, declarou Paulo Gonçalves Marcos ao ECO.

A direção do SNQTB esteve reunida esta tarde para avaliar a denúncia unilateral do acordo de empresa pela atual administração liderada por Paulo Macedo, a qual considera “fora de tempo e de modo”.

“É um absurdo porque o acordo de empresa foi celebrado há dois anos, é recente e atual. Depois o modo como tudo foi feito, por carta, e após ter apresentado lucros de 194 milhões…”, sublinha Paulo Gonçalves Marcos.

"No limite, não descartamos nada, o que quer dizer que está tudo em cima da mesa. Mas o objetivo é chegar a um acordo, porque acreditamos que é tempo de reposição dos rendimentos dos trabalhadores da CGD. E, por isso, convidamos os outros sindicados a juntarem-se a nós neste objetivo.”

Paulo Gonçalves Marcos

Presidente do SNQTB

Esta quinta-feira, o Sindicato dos Trabalhadores das Empresas do Grupo Caixa Geral de Depósitos (STEC) convocou uma greve para o dia 24 no banco público, em protesto contra a denúncia do acordo de empresa apresentada pela administração.

Com a denúncia do acordo, a administração entregou uma nova proposta aos sindicatos onde prevê eliminar a carreira profissional, as anuidades, o prémio de antiguidade e ainda liberalizar os horários, aumentar a polivalência de funções e dificultar o acesso ao crédito à habitação.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Sindicato dos bancários afasta-se de greve na CGD e avança para negociações com administração

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião