Uber vai dar boleias nos céus de um destes cinco países

A Uber anunciou os cinco primeiros países onde irá instalar o serviço de transportar passageiros com recurso a carros voadores. Anunciou também que as entregas com drones vão chegar à UberEATS.

A Uber já está a desenvolver alguns dos protótipos de “carro voador” para transporte de passageiros.Uber Elevate

Carros voadores são um conceito da ficção científica mas a Uber quer voar depressa até essa realidade. No ano passado, anunciou em Lisboa o serviço UberAIR, com o qual espera poder vir a transportar passageiros em pequenos helicópteros. Quase um ano depois, acaba de anunciar os primeiros cinco países onde quer implementar esta nova tecnologia e revelou que também pretende fazer entregas de comida do UberEATS com recurso a drones.

Japão, Índia, Austrália, Brasil e França são os primeiros cinco candidatos a pioneiros do UberAIR. É neles que estará a primeira cidade a receber o serviço inovador da empresa de transporte, escolhidos com base em critérios como o tamanho do mercado e as condições regulatórias favoráveis.

“Dentro de aproximadamente cinco anos, os utilizadores da Uber nas cidades piloto vão conseguir requisitar um voo com um simples toque no ecrã”, promete a empresa liderada por Dara Khosrowshahi.

A Uber está convicta de que o serviço UberAIR tem potencial para “transformar profundamente a mobilidade urbana, eliminando as dificuldades e problemas de tráfego nas rotas mais congestionadas do mundo”.

“Em toda a região Ásia-Pacífico, o UberAIR terá um impacto profundo em todos os tipos de viagens que são hoje em dia geralmente feitas de carro ou que não têm acesso à rede de transporte público”, acrescenta a empresa.

A Uber pretende entregar refeições com recurso a drones, como mostra esta imagem produzida em computador.Uber Elevate

Ao mesmo tempo, a Uber vai aproveitar o processo regulatório para tentar implementar também a tecnologia das entregas de refeições com recurso a drones. “A Uber vê uma oportunidade única de trazer para o seu negócio de entrega de refeições os mesmos benefícios que que a aviação urbana trará para o ridesharing, refere a empresa, que vê nesta solução vantagens como a rapidez e a acessibilidade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uber vai dar boleias nos céus de um destes cinco países

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião