BE quer “travar bolha imobiliária” com nova taxa sobre especuladores

O Bloco de Esquerda quer aplicar uma nova taxa de IRS sobre aqueles que pratiquem especulação imobiliária. Sobre o mandato da PGR, Catarina Martins diz que "não é ocupado por campanhas dos partidos".

O Bloco de Esquerda quer “penalizar” os especuladores do setor imobiliário com uma nova “taxa de IRS”. Em declarações aos jornalistas transmitidas pela RTP 3, Catarina Martins explicou que esta medida faz parte do pacote de propostas para o Orçamento do Estado para 2019 que os bloquistas estão atualmente a negociar com o Executivo de António Costa.

“Um dos maiores problemas do país sobre o seu custo de vida é o preço da habitação”, sublinhou a deputada. Face à “bolha especulativa” que está a pressionar o setor em causa, o Bloco de Esquerda sugere que — à semelhança do que já acontece no mercado de ações — quem compre e venda “num curto período de tempo e com muito lucro” pague uma “taxa de IRS particular e penalizadora”.

A medida, explicou Catarina Martins, está a ser negociada desde maio. Não está, contudo, ainda fechado o prazo da operação sobre a qual se aplicará a taxa, nem o valor desse “penalização”. “É um passo que não vai resolver tudo, mas que é importante para travar a especulação”, salientou a parlamentar.

Os bloquistas exigem ainda que esta medida não seja “apenas simbólica”, isto é, que o seu valor e prazo sejam efetivos e tenham, assim, um “impacto real”. Segundo o partido, a concretizar-se, esta taxa trará três vantagens: travará a bolha imobiliária, angariará receitas para o Estado e ajudará a controlar os preços da habitação.

“É preciso mesmo penalizar quem compra imobiliário para vender depois com muito lucro, num curto espaço de tempo, porque essa é a única forma de travar a bolha“, assinalou Martins, este domingo.

Novo PGR? Tem havido “partidarização” da matéria

Recondução de Joana Marques Vidal é uma das matérias que está a marcar atualidade.Paula Nunes / Eco

Questionada sobre a posição do Bloco de Esquerda no que diz respeito à recondução ou não de Joana Marques Vidal no cargo de Procuradora-Geral da República (PGR), Catarina Martins recusou comentar a matéria.

“Tenho assistido a uma tentativa de partidarização [do processo]. O cargo de PGR não é ocupado por campanhas dos partidos”, sublinhou a bloquista.

Na sexta-feira, também António Costa disse que esta não é uma “matéria de luta partidária”, tendo adiantado somente que a ministra da Justiça irá ouvir todos os partidos antes de fechar a proposta que levará a Belém.

À direita, Rui Rio também tem recusado revelar a posição do PSD. Já o CDS-PP adiantou que é a favor da manutenção de Joana Marques Vidal no cargo em causa. “No curto prazo, continuaremos a pugnar pela recondução da atual Procuradora-Geral da República”, reforçou Assunção Cristas, na reentré centrista.

O mandato de Joana Marques Vidal termina em outubro. A Constituição dita que seja agora o Governo a propor um novo nome para ocupar o cargo em questão, cabendo ao Chefe de Estado aceitar ou não essa sugestão.

Apesar de estar claro que não há qualquer impedimento legal à renovação do mandato da atual Procuradora-Geral, ainda não é certo o destino de Joana Marques Vidal. É sabido, no entanto, que o Governo não está inclinado para uma renovação.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BE quer “travar bolha imobiliária” com nova taxa sobre especuladores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião