Quer um Tesla cinza prata? Não há. Só se pagar mais

Elon Musk vai remover duas das sete opções do catálogo de cores da Tesla. Se quiser um automóvel preto metalizado, ou cinza prata, vai ter de pagar (ainda) mais.

A Tesla até pode ser maior que a Ford em valor de mercado. A diferença é que entregou pouco mais de 100 mil automóveis em 2017, enquanto a concorrente vendeu 6,6 milhões de veículos no mesmo período. Ou seja, apesar das várias conquistas na mobilidade elétrica, há um objetivo que a empresa liderada por Elon Musk ainda não atingiu: produzir um automóvel elétrico… mas em larga escala.

O polémico empresário norte-americano está consciente disso. E tem um plano para acelerar mais um pouco a produção das fábricas da Tesla: vai deixar de produzir automóveis com duas das sete cores do catálogo, para “simplificar o fabrico” dos carros elétricos.

Como já é habitual, foi no Twitter que Elon Musk anunciou a medida para acelerar a produção dos automóveis: “Vou retirar duas das sete cores do menu da Tesla esta quarta-feira para simplificar a produção. Obsidian Black [“preto obsidian metalizado”] e MetallicSilver [“cinza prata”] vão continuar disponíveis para pedidos especiais, mas a um preço mais elevado”, afirmou o gestor.

Na prática, os clientes da Tesla vão ter de abrir os cordões à bolsa se quiserem um automóvel totalmente preto metalizado, ou prateado metalizado. Nas restantes opções permanece o “preto sólido”, o “prateado midnight metalizado”, o “azul-oscuro metalizado”, o “branco pérola multicamadas” e o clássico “vermelho multicamadas”. Ainda não se sabe quanto vai custar a mais as duas cores retiradas do catálogo.

Em contrapartida, são conhecidos os problemas que a empresa tem enfrentado para dar resposta a todas as encomendas, embora os dados mais recentes mostrem que a capacidade de produção da Tesla está a aumentar. Entre abril e junho, produziu 53.339 automóveis, mais 55% do que no trimestre anterior.

A medida anunciada pelo presidente executivo da Tesla poderá indiciar que a empresa ainda enfrenta dificuldades na produção do novo modelo em grande escala: o Model 3. Segundo a Fortune, a Tesla prevê fabricar entre 50.000 e 55.000 automóveis desta gama neste terceiro trimestre. No segundo trimestre, produziu 28.578 unidades.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quer um Tesla cinza prata? Não há. Só se pagar mais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião