Sindicato dos bancários pede ao BCP para devolver este ano salários cortados durante a crise

Banco cortou salários entre 2014 e 2017 e prometeu devolver as remunerações retidas assim que a situação de crise estivesse ultrapassada. Sindicatos pretendem que devolução seja feita este ano.

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) pretende que o BCP devolva já este ano os cortes salariais que afetaram os trabalhadores entre 2014 e 2017 e enviou uma carta ao presidente Miguel Maya a lembrar-lhe desse compromisso assumido pelo banco há quatro anos.

O BCP cortou salários aos trabalhadores que recebiam mais de 1.000 euros, uma medida que vigorou entre 2014 e junho do ano passado, e com os cortes a atingirem um máximo de 11% do salário bruto, isto por causa da crise que o banco atravessava. Na altura, a instituição disse que a medida permitiria salvar 400 postos de trabalho, tendo deixado a promessa junto dos sindicatos de devolver as remunerações retidas assim que as dificuldades estivessem superadas.

Agora, o banco vai a caminho de “lucros belíssimos” e o CEO Miguel Maya diz que está a fazer “tudo para que seja possível” voltar a remunerar os acionistas em 2019, algo que não acontece desde 2010. Na primeira metade do ano, o BCP registou lucros de 150,6 milhões de euros.

Neste cenário, o sindicato dos bancários dirigiu uma missiva ao banco “alertando e relembrando para a necessidade de devolução, ainda no decurso do ano de 2018, das prestações remuneratórias retidas aos trabalhadores entre 2014 e junho de 2017”.

“De facto, em 2018, estamos perante a notável recuperação do BCP, resultado do contributo emergente da lealdade dos clientes, competência da equipa de gestão, paciência e resiliência dos acionistas, mas também, e especialmente, da dedicação, entrega e sentido de compromisso dos quadros e técnicos bancários e dos trabalhadores do banco, em geral”, lê-se na carta a que o ECO teve acesso.

O SNQTB lembra o acordo firmado entre o banco e os sindicatos, onde ficou consignado “um compromisso com vista à reposição aos trabalhadores do valor retributivo que seria retido nesse período transitório, uma vez se encontrasse ultrapassada a situação que a tinha originado”.

A justiça desta reposição é inquestionável. O tempo é o correto“, frisa ainda o sindicato liderado por Paulo Gonçalves Marcos.

Questionado pelo ECO sobre esta devolução dos cortes aos trabalhadores, o BCP não esteve disponível para responder a tempo da publicação do artigo.

Ainda assim, na primeira carta enviada aos trabalhadores, Miguel Maya fez questão de dizer que o assunto não está esquecido, afirmando que iria “defender com determinação o compromisso assumido com os colaboradores relativo ao valor não recebido durante o período em que vigorou a redução salarial”. Além disso, também revelou que quer voltar a pagar bónus aos trabalhadores em função dos resultados.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sindicato dos bancários pede ao BCP para devolver este ano salários cortados durante a crise

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião