Oi escolhe novo gestor e completa administração

  • Lusa
  • 9 Outubro 2018

A Oi escolheu Roger Solé Rafols para o Conselho de Administração e fecha, desta forma, a composição da estrutura.

A operadora brasileira Oi anunciou esta terça-feira a escolha do gestor Roger Solé Rafols para o Conselho de Administração, estrutura que fica assim completa após a ocupação do lugar deixado por um eleito que renunciou ao cargo. “O Conselho de Administração da Oi nomeou o executivo Roger Solé Rafols para ocupar posição vaga com a saída de Marcos Duarte Santos, em 26 de setembro de 2018”, informa a empresa, em comunicado enviado à Lusa.

Segundo a Oi, na qual a portuguesa Pharol é acionista, “com a nomeação de Solé Rafols a companhia consolida uma nova etapa de governança, prevista no Plano de Recuperação Judicial, aprovado pelos credores em dezembro do ano passado”. Falta agora o parecer favorável Agência Nacional de Telecomunicações do Brasil, a Anatel.

Citado na nota, o presidente da operadora, Eleazar de Carvalho Filho, salienta que o novo administrador, que tem “20 anos de experiência no setor de telecomunicações”, irá contribuir “para o fortalecimento do papel do conselho na definição das diretrizes da Oi e também no apoio para execução de seu turnaround [mudança de estratégia], que está em curso”.

No final de setembro, um dos eleitos para o novo Conselho de Administração da Oi, Marcos Duarte Santos, decidiu não permanecer no cargo que já desempenhava por “ordem pessoal e profissional”.

Em comunicado enviado ao mercado no Brasil, a Oi indicou que “o presidente do Conselho de Administração da companhia recebeu correspondência do sr. Marcos Duarte Santos, informando que, por razões supervenientes de ordem pessoal e profissional, não tomará posse no cargo de membro do novo Conselho de Administração da Oi, cuja eleição foi ratificada em assembleia-geral extraordinária realizada em 17 de setembro de 2018”.

Uma semana antes, em meados de setembro, os acionistas da operadora brasileira Oi elegeram um novo Conselho de Administração, presidido pelo economista e ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social, Eleazar de Carvalho Filho.

Segundo a ata da assembleia-geral extraordinária, enviada pela Pharol ao mercado, o novo Conselho de Administração da Oi conta com 11 membros — cinco novos e seis reconduzidos — e tem um mandato de dois anos.

Tendo em conta a nova nomeação, a administração conta, assim, com Eleazar de Carvalho Filho como presidente e Marcos Grodetzky como vice-presidente, tendo ainda como administradores Roger Solé Rafols, Henrique José Fernandes Luz, José Mauro Mettrau Carneiro da Cunha, Marcos Bastos Rocha, Maria Helena dos Santos Fernandes de Santana, Paulino do Rego Barros Jr, Ricardo Reisen de Pinho, Rodrigo Modesto de Abreu e Wallim Cruz de Vasconcellos Junior.

Os acionistas da Oi aprovaram ainda, naquele encontro, o aumento do capital social da companhia, com a consequente alteração do estatuto social, como previsto no Plano de Recuperação Judicial da empresa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Oi escolhe novo gestor e completa administração

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião