Mota-Engil está em Angola desde 1946. Este ano vai faturar 400 milhões, prevê António Mota

O presidente da Mota-Engil não tem dúvidas que o futuro do grupo passa por Angola. Sobre a visita de João Lourenço a Portugal, diz que é "a formalização do reatar das relações entre os dois países".

A visita de João Lourenço, Presidente de Angola, a Portugal é muito importante para a formalização do reatar de relações entre os dois países. A frase é de António Mota, presidente do grupo Mota-Engil, “empresa portuguesa, mas de génese angolana”, como gosta de sublinhar.

Para António Mota, “as visitas do primeiro-ministro a Angola e, agora, de João Lourenço a Portugal são extremamente importantes porque formalizam o reatar de relações para que os dois mercados se abram”.

As relações entre Portugal e Angola têm vivido altos e baixos, mas tiveram o seu momento mais crítico, devido ao processo judicial que envolveu o ex-vice-Presidente Manuel Vicente. Vicente foi acusado em Portugal do crime de corrupção ativa de Orlando Figueira, ex-magistrado do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), mas este processo autónomo da Operação Fizz acabou por ser remetido para Angola depois de grande pressão política, incluindo de João Lourenço. O Chefe de Estado já esclareceu que agiu não em defesa de Vicente, mas do acordo judiciário existente entre os dois países. “O que fizemos foi chamar a atenção para a necessidade do cumprimento desse acordo, independentemente de quem se tratasse”, disse João Lourenço em entrevista ao Expresso (acesso pago).

Sobre o futuro de Angola, Mota diz que tudo vai depender “do evoluir da economia angolana e vai também depender do desenvolvimento que João Lourenço seja capaz de imprimir em áreas como a agricultura, educação e a saúde, por exemplo, o que é ainda mais importante numa economia que sempre foi tão dependente do petróleo”.

Presente no mercado angolano desde 1946, a Mota-Engil não tem dúvidas de que o seu futuro continuará a passar por Angola. “Este ano as previsões apontam para uma faturação naquele mercado de 400 milhões de euros”, portanto, acrescenta Mota: “isto diz muito da nossa relação com Angola. Aliás, somos uma empresa portuguesa com génese angolana”.

Já a intenção do Presidente angolano de captar investimento em Portugal, é bem acolhida por António Mota. “O Presidente de Angola na entrevista ao Expresso já deu o sinal da abertura do mercado a novos investimentos em diversas áreas, e sobretudo a investimentos de longo prazo. Portanto, agora depende dos empresários de todo o mundo e também dos portugueses”. Mota realça ainda que gostou, sobretudo, de ver a abertura de João Lourenço para convidar professores e médicos portugueses para Angola.

A Mota-Engil está presente em Angola na área da construção e obras públicas através da Mota-Engil Angola, a maior empresa de direito angolano a operar no mercado. Mas a presença da construtora portuguesa não se restringe a esta área, uma vez que no setor do ambiente marca também presença com a Vista Waste, empresa responsável pela limpeza urbana e recolha de resíduos em cidades como Luanda e Benguela. E ainda na área de projetos e obras de arquitetura paisagística através da VB.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mota-Engil está em Angola desde 1946. Este ano vai faturar 400 milhões, prevê António Mota

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião