Contestação social é fruto da mensagem do Governo de “que a situação é excelente”, diz Bagão Félix

Perante a conflitualidade social, o ex-ministro afirma que o Governo está a ser vítima da sua própria mensagem, ao dizer que a situação é excelente. "É melhor, mas não é excelente", diz Bagão Félix.

António Costa não tem sido poupado no que toca a greves ou protestos. É a Comboios Portugal (CP), são os estivadores de Setúbal, os professores, os enfermeiros, os polícias… A lista alonga-se e, perante a contestação social, o ex-ministro Bagão Félix considera que o que está a acontecer é que o Governo está a sofrer as consequências da sua própria mensagem.

“As forças sindicais, os próprios trabalhadores e a função pública estão a tentar obter algum ganho que resulte daquilo que o Governo tem dito que está bastante melhor”, diz em entrevista ao ECO 24, uma parceria entre o ECO e a TVI24.

Quando os Governos, em abstrato, e agora este [Governo], dizem que a situação é excelente, as pessoas entendem isso como uma maior disponibilidade política e uma maior necessidade social-familiar de receber dividendos de uma conjuntura que dizem que é muito melhor”, diz Bagão.

Se, por um lado, o Executivo determina a situação do país como ótima, por outro, o economista diz “a situação é melhor, mas não é excelente”. Tanto a dívida pública como a debilidade do investimento público, por exemplo, justificam-no. “Não se pode dizer que estamos perante uma situação estrutural sustentadamente adequada”, afirmou.

Bagão Félix

Na sequência da onda contestatória, para Bagão Félix, os partidos à esquerda é que estão a procurar tirar partido da situação, sobretudo o Partido Comunista Português (PCP), que tem grande representação sindical e laboral.

Bagão Félix entende a contestação, depois de anos de marcados por uma profunda crise. No entanto, defende que o foco das preocupações tanto de trabalhadores como de empregadores devia, antes, ter como alvo o aumento da qualificação das pessoas.

“O aumento da qualificação das pessoas é muito propagandeado, mas, se repararmos, a produtividade aparente no trabalho tem vindo a diminuir. Esta é a questão preocupante”, remata.

Centeno surpreendeu… Pela positiva

É verdade que o Governo não tem tido vida fácil, enfrentando várias e sucessivas greves. E que o país não está assim tão bem como Costa defende, mas Bagão Félix admite que Mário Centeno está a ser uma surpresa pela positiva do ponto de vista político e de gestão política.

“Ele [Centeno] tem sido um bom ministro das Finanças, de um modo geral. E tem sido bastante hábil, do ponto de vista político, o que eu não esperava”, confessou.

O facto de Portugal ter um ministro das Finanças que é, simultaneamente, presidente do Eurogrupo, é, para o economista, um fator favorável. “Permite-nos ter uma almofada de segurança”. “Ele não pode — ou não deve — contradizer-se em cada uma das situações”, diz.

"Centeno tem sido um bom ministro das Finanças, de um modo geral. E tem sido bastante hábil, do ponto de vista político, o que eu não esperava.”

Bagão Félix

Ex-ministro do Trabalho

No entanto, situações de contradição acontecem. Ainda esta semana o presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, pediu ao ministro das Finanças português, Mário Centeno, medidas adicionais para cumprir o Pacto de Estabilidade.

A menos de um ano das próximas eleições legislativas, Bagão Félix lembra que o desempenho do próximo Governo depende muito de fatores externos: desde a questão do Brexit, às dificuldades políticas e institucionais relacionadas com Itália e culminando nas tensões na guerra comercial entre a China e os Estados Unidos da América (EUA).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Contestação social é fruto da mensagem do Governo de “que a situação é excelente”, diz Bagão Félix

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião