Sonae, Semapa e Santander Totta com novos líderes em 2019

  • Lusa
  • 27 Dezembro 2018

Passagem de testemunho de Paulo Azevedo para a irmã, Cláudia Azevedo, que irá assumir a presidência executiva da Sonae em 2019, é um dos destaques do ano. Mas há mais.

O ano de 2019 vai trazer mudanças na liderança estratégica e executiva de algumas das maiores empresas em Portugal, como a Sonae, a Semapa ou o Santander Totta.

A passagem de ‘testemunho’ de Paulo Azevedo para a irmã, Cláudia Azevedo, que irá assumir a presidência executiva da Sonae em 2019, é um dos destaques do ano.

Na Semapa, Heinz-Peter Elstrodt passa a presidente do Conselho de Administração e, no Santander Totta, António Vieira Monteiro deixa a presidência executiva e passa a ‘chairman’ (presidente do Conselho de Administração) do banco.

Também na Euronext Lisbon haverá mudanças, com Isabel Ucha a suceder a Paulo Rodrigues da Silva na presidência executiva.

Eis algumas das mudanças previstas para 2019:

Paulo Azevedo, chairman e Co-CEO da Sonae, acompanhado pela irmã, Cláudia Azevedo, durante a apresentação de resultados de 2017, Maia, 15 de março de 2018.

Sonae

Cláudia Azevedo assume em 2019 a presidência executiva da Sonae, sucedendo ao irmão Paulo Azevedo, naquela que é a primeira grande mudança do grupo após a morte do pai, Belmiro de Azevedo, em novembro de 2017.

A filha mais nova de Belmiro de Azevedo, que foi um dos homens mais ricos de Portugal, (irmã de Paulo Azevedo e de Nuno Azevedo) faz 49 anos em 13 de janeiro, tem dois filhos e é licenciada em Gestão pela Universidade Católica do Porto, tendo um MBA (sigla em inglês para Master of Business Administration) na escola de negócios Insead.

Cláudia Azevedo foi, nos últimos anos, presidente executiva da Sonae Capital, com atividade em hotelaria, ‘fitness’ e energia, tendo renunciado ao cargo para se preparar para a liderança que assume no próximo ano.

“Agradeço o voto de confiança manifestado pelo Conselho de Administração da Sonae e pelo Conselho de Administração da Efanor [‘holding’ da família de Belmiro de Azevedo, que detém maioria da Sonae] na proposta da minha eleição para CEO [presidente executiva] da Sonae para o mandato a iniciar em 2019”, disse Cláudia Azevedo, em comunicado.

António Vieira Monteiro, deixa a presidência executiva do Santander Totta e passa a chairman do banco.Paula Nunes / ECO

Santander Totta

Os acionistas do Santander Totta aprovaram no dia 13 de dezembro a nova composição da administração, com António Vieira Monteiro a deixar a presidência executiva e a passar a chairman do banco, que terá Pedro Castro Almeida como presidente executivo.

Os novos órgãos sociais irão liderar o banco no triénio 2019-2021. Vieira Monteiro deixa a presidência executiva da instituição depois de sete anos a ocupar este cargo.

Na presidência do Conselho de Administração do Santander Totta, Vieira Monteiro será acompanhado pelos vice-presidentes José Carlos Sítima e Pedro Castro e Almeida. Entre os nomes da lista de 15 novos administradores do conselho está o diretor (dean) da faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa (Nova SBE), Daniel Traça.

Semapa

A Semapa informou o mercado, em outubro, que tinha escolhido Heinz-Peter Elstrodt como presidente do Conselho de Administração (chairman) da empresa e João Castello Branco como ‘chairman’ das participadas The Navigator e Secil.

Heinz-Peter Elstrodt, alemão, de 62 anos, assume a presidência a partir do dia 1 de janeiro. Já João Castello Branco, presidente executivo da Semapa, vai acumular este cargo com o de chairman das participadas Navigator e Cecil.

Estas nomeações acontecem na sequência da morte do presidente do grupo, Pedro Queiroz Pereira, em agosto último, que ocupava aqueles cargos.

Isabel Ucha na cerimónia de entrada em bolsa da primeira Sociedade de Investimento para o Fomento da Economia (SIMFE) portuguesa, a Flexdeal.Hugo Amaral/ECO

Euronext Lisbon

Paulo Rodrigues da Silva, que ocupou o cargo de presidente executivo da Euronext Lisbon, renunciou ao cargo em novembro e será substituído por Isabel Ucha a partir de 01 de janeiro.

A renúncia de Paulo Rodrigues da Silva ao cargo de presidente executivo da Euronext Lisbon foi justificada com a decisão de se dedicar a “projetos pessoais, no campo do empreendedorismo e da academia”. Isabel Ucha está na Euronext desde 2007 e chegou a assumir interinamente a liderança da Euronext Lisbon, em 2016.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonae, Semapa e Santander Totta com novos líderes em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião