Greves travaram ganhos salariais no Estado. Salário médio foi de 1.471,2 euros

Números da Direção Geral da Administração e do Emprego Público indicam que o emprego na Função Pública voltou a aumentar no ano passado.

O número de funcionários públicos voltou a aumentar em 2018. Desde que António Costa chegou à liderança do Governo, o emprego na Função Pública já cresceu em 24 mil pessoas, segundo dados da Direção Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP).

No final de 2018, a Função Pública (Administração Central e Local) aumentou para um total de 683 mil pessoas. Assim, no período da geringonça, o emprego no Estado subiu 3,7%. O crescimento foi especialmente expressivo no ano passado devido ao processo de regularização extraordinária de vínculos precários.

Em comparação com o final de 2017, a subida no emprego do Estado foi de 2,1%, ou seja, mais 14 mil postos de trabalho. O balanço do ano foi positivo tanto na administração central (com mais 6.621 postos de trabalho) como na administração regional e local (com mais 7.217 empregos).

“Na administração central, os contributos para o saldo final dos fluxos de entradas e saídas de trabalhadores registados no ano de 2018 são explicados essencialmente por: no Ministério da Educação, pelo movimento de assistentes operacionais, de técnicos superiores para atividades de enriquecimento curricular (AEC) e de docentes contratados para o ano letivo 2018/2019“, explica o relatório. Ainda na educação, também contribuíram os novos contratos de docentes universitários e do ensino politécnico.

Já na administração local, o balanço final foi de mais 6.647 postos de trabalho no ano de 2018. Nos Municípios, o aumento foi de 5.152 postos de trabalho e nas Freguesias de 1.323 postos de trabalho “por efeito, entre outros, das novas entradas no âmbito do processo de regularização extraordinária de vínculos precários”, segundo a DGAEP.

Greves travaram salário. Remuneração base ficou nos 1.471,2 euros

A remuneração base média dos trabalhadores da Função Pública situou-se em 1.471,2 euros em outubro do ano passado (mês de referência no trimestre), o que representa uma subida homóloga de 0,7%. Já o ganho médio mensal nas administrações públicas é estimado em 1.721,80 euros, ou seja, mais 1,7% que no mesmo mês do ano anterior.

Por um lado, o efeito conjugado dos movimentos de entrada e saída de trabalhadores com diferentes níveis remuneratórios e do processo faseado de descongelamento de carreiras, progressões e promoções levou ao aumento nos salários. No entanto, “as ausências, em particular por motivo de greve, explicam decréscimos na remuneração base pelo efeito do aumento do número trabalhadores que não receberam a remuneração completa no mês de referência“.

Entre os vários subsetores da administração central, o maior aumento homólogo nos ganhos médios mensais foi registado no Ministério da Saúde (4,3% para 2.077,6 euros). Em sentido contrário, o maior decréscimo aconteceu no Ministério dos Negócios Estrangeiros, onde caíram 5,6% para 3.575,2 euros.

(Notícia atualizada às 17h20)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Greves travaram ganhos salariais no Estado. Salário médio foi de 1.471,2 euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião