Portugal é o terceiro país da UE com mais barreiras ao investimento

A Comissão avalia 19 entraves ao investimento e Portugal falha 14. Pior só a Itália e a Roménia. A Holanda é o Estado-membro com menos obstáculos ao investimento - apenas dois.

Portugal é o terceiro país da União Europeia com mais barreiras ao investimento. A conclusão consta do relatório da Comissão Europeia para Portugal sobre a avaliação da situação económica e social onde Bruxelas conta 14 obstáculos ao investimento em Portugal num conjunto de 19.

No documento, o executivo comunitário analisa 27 países — só a Grécia fica de fora. Entre o grupo avaliado Itália e Roménia apresentam resultados piores: no caso do primeiro foram identificadas 16 entraves ao investimento e no segundo 15. No campo oposto está a Holanda com apenas dois obstáculos ao investimento.

“Portugal enfrenta vários constrangimentos ao investimento. Várias características do setor financeiro dificultam o acesso ao financiamento. Qualificações baixas, em particular no que respeita a competências digitais, e uma percentagem elevada de contratos temporários devido à rigidez do mercado de trabalho prevalecem. Existem também lacunas no investimento em infraestruturas nos transportes e na energia, em particular relacionadas com as ligações internas e externa na Península Ibérica. As barreiras regulatórias impedem a concorrência nos negócios, dificultando a escolha e a qualidade dos serviços. Os desafios ao ambiente de negócios incluem barreiras em setores específicos no licenciamento e nas ineficiências no sistema de justiça”, diz o relatório da Comissão para Portugal.

Numa análise aos progressos económicos e sociais dos Estados-membros, Bruxelas avisa Portugal que as elevadas dívidas pública e privada bem como o peso do crédito malparado constituem “vulnerabilidades” para a economia num contexto de baixo crescimento da produtividade. A mensagem transmitida esta manhã em Bruxelas pelos comissários europeus é a de que os países têm de investir mais e melhor, sem descurar as finanças públicas responsáveis.

Para isso preparam um guião para que os países saibam a melhor forma de utilizar o próximo pacote de fundos comunitários, mais concretamente as verbas do Fundo de Coesão.

No caso português, a preocupação da Comissão resulta da evolução recente do investimento. “Depois de alcançar um crescimento de 9% em termos reais em 2017, a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) deverá apresentar uma evolução moderada em 2018 antes de avançar outra vez em 2019-2020. No primeiro semestre de 2018, o crescimento do investimento abrandou de um número de dois dígitos um ano antes para 4%.” Bruxelas chama ainda a atenção para a evolução do investimento público. Uma execução abaixo do previsto no Orçamento e uma procura externa mais fraca deverão pesar no crescimento do investimento em 2018. No médio prazo, é esperada alguma recuperação, especialmente em resultados dos fundos europeus”.

Os números finais sobre o investimento para o conjunto da economia só serão conhecidos esta quinta-feira, quando o Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgar o detalhe das contas nacionais referentes a 2018, mas os números do investimento público desiludem, já que o Governo não usou 1.180 milhões de euros que tinha previsto gastar em investimento público.

A Comissão elogia o programa Qualifica que serve para dotar a mão-de-obra de mais qualificações, defende a aposta na ferrovia e nos portos e salienta a utilidade da Instituição de Desenvolvimento Financeiro, no papel que têm no financiamento às empresas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal é o terceiro país da UE com mais barreiras ao investimento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião