PLMJ perde mais um sócio

Tomás Pessanha, sócio do Porto de M&A é a mais recente saída do escritório que este ano inaugura uma nova sede, na Fontes Pereira de Melo.

A PLMJ acaba de perder mais um sócio Tomás Pessanha, sócio desde 2007 do escritório do Porto, com prática na área de M&A. Contactada pela Advocatus, fonte oficial do escritório não quis fazer qualquer comentário.

Tomás Pessanha fazia parte da equipa do Porto, com atividade nas áreas Corporate Governance, Fundos de Investimento, Investimento Estrangeiro. Foi advogado na José Maria Calheiros & Associados, advogado associado na PMBGR e é docente convidado, na Porto Business School, desde 2013.

Já no mês passado, Pedro Melo deixou a PLMJ, escritório onde estava há 17 anos, para integrar a Miranda & Associados, na equipa de coordenação da área de Direito Público e Regulatório do escritório em Lisboa.

Ao fim de 17 anos na sociedade PLMJ, dez dos quais como sócio e quatro destes como coordenador da sua área de especialidade, o Direito Público, este é um capítulo que se encerra. “Ficam boas recordações e alguns amigos para a vida. Não quero, contudo, falar no passado. Como se costuma dizer: o passado é tão forte que nem Deus o pode mudar. Estou de olhos postos no futuro; e o meu futuro é, convictamente, na Miranda”, disse o advogado.

Em dezembro, a PLMJ foi alvo de um ataque informático sem precedentes em que foram divulgados mails no blogue “Mercado de Benfica” — o mesmo que deu origem ao caso e-toupeira — que divulgavam conversas entre os três advogados do Benfica: João Medeiros, sócio da PLMJ, Rui Patrício, sócio da Morais Leitão e Paulo Saragoça da Matta e ainda um membro da comunicação do Benfica.

“A segurança das informações dos nossos clientes e a defesa dos seus interesses e direitos são a nossa prioridade”, remata aquele que é o maior escritório de advogados português, com mais de 300 advogados. “Manter-vos-emos informados de toda e qualquer evolução ou facto novo substanciais relacionados com este tema”, segundo o esclarecimento enviado ao ECO na altura.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PLMJ perde mais um sócio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião