Lisboa contraria Europa e arranca no vermelho. Nos pressiona

O Governo decidiu não abrir um novo concurso público para a designação de um novo prestador para o serviço de telefone fixo, o que desanimou os investidores e levou as ações da Nos ao vermelho.

O Executivo de António Costa decidiu acabar com o serviço universal de telefone fixo, ditando o fim da prestação desse tipo de serviço pela Nos, o que desanimou os investidores. A empresa de telecomunicações arrancou, por isso, a terceira sessão da semana no vermelho, pressionando a bolsa nacional. A evitar maiores perdas na praça portuguesas estão os títulos da Galp Energia.

Os títulos da gigante liderada por Miguel Almeida já estiveram a recuar cerca de 1%, tendo atenuado entretanto as perdas. Desvalorizam agora 0,17% para 5,925 euros. Do outro lado da linha de água, destaque para a Galp Energia, cujas ações avançam 1,01% para 14,52 euros.

Tudo somado, o índice de referência nacional, o PSI-20, arrancou a sessão no vermelho, recuando 0,06% para 5.272,20 pontos. Entretanto, Lisboa já passou para o outro lado da linha de água e está agora valorizar 0,17% para 5284,29 pontos.

A praça nacional contrariou, assim, na abertura as demais praças do Velho Continente, com o Stoxx 600 a avançar 0,1%, o alemão Dax a somar 0,2% e o espanhol Ibex a valorizar 0,3%. Também o britânico FTSE começou o dia no verde, subindo 0,04%, um dia depois de se ficar a saber que Bruxelas vai recusar a extensão do Brexit até junho, propondo o prolongamento do prazo do divórcio até março do próximo ano.

Por cá, em terreno negativo, estão também as ações do BCP, que perdem 0,21% para 0,2369 euros. Isto um dia depois do Fundo Monetário Internacional (FMI) ter revisto em baixa as previsões de crescimento para Portugal e para a Zona Euro. O FMI estima que o PIB lusitano crescerá 1,7%, valor que fica acima dos 1,3% projetados para a área da moeda única. E a puxar por Lisboa estão também as ações da Jerónimo Martins, que somam 0,37% para 13,505 euros.

(Notícia atualizada)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa contraria Europa e arranca no vermelho. Nos pressiona

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião