Aumento do salário mínimo de 850 euros? “No imediato é um perfeito absurdo”, diz António Saraiva

O presidente da CIP defende que a política salarial deve ser definida de acordo com um conjunto de premissas: crescimento, inflação, produtividade e em sede própria.

A CGTP e o PCP deixaram uma mensagem clara no 1º de maio: querem o aumento do salário mínimo nacional para 850 euros. Mas não definiram um horizonte temporal para a negociação do mesmo. O presidente da Confederação Empresarial de Portugal é taxativo: “Se a reivindicação é no imediato é perfeitamente absurdo”.

Em declarações ao ECO, António Saraiva sublinha que “um aumento de 42% do salário mínimo é um absurdo, que não é possível considerar”. Mas como CGTP e PCP não fizeram qualquer referência em termos de tempo, o patrão dos patrões considera que tudo pode ser “razoável”, com “alguma calendarização do período”, à semelhança do que aconteceu com o aumento do salário mínimo de 600 euros ao longo da atual legislatura.

Um aumento de 42% do salário mínimo é um absurdo, que não é possível considerar.

António Saraiva

Presidente da CIP

António Saraiva defende que “a política salarial das empresas deve ser consentânea com o crescimento económico, com a inflação, com a produtividade e deve ser discutida em sede própria, quer seja no âmbito da concertação social ou através da negociação coletiva”. “É com este referencial que a política salarial deve ser discutida e tentar encontrar valores adequados”, acrescentou.

O presidente da CIP sublinha ainda o “irrealismo” da reivindicação da CGTP tendo em conta que “o Executivo acabou de rever em baixa as previsões de crescimento económico, de investimento e até já houve momentos em que os ganhos de produtividade foram negativos”.

De acordo com o Programa de Estabilidade, a economia nacional já não vai crescer 2,1% como inicialmente previsto, mas 1,9%. Ainda assim, esta meta é bastante mais otimista face às previsões das restantes instituições internacionais (Fundo Monetário Internacional e Comissão Europeia) e do próprio Banco de Portugal que apontam para um crescimento de 1,7%. Mais pessimista só mesmo o Concelho das Finanças Públicas que aponta para um crescimento de 1,6%.

Apesar de o Executivo ter vindo a valorizar os bons resultados dos primeiros meses do ano, num contexto de revisão em baixa do crescimento na zona euro, António Saraiva lembra que a situação não é idêntica para todas as empresas. “O turismo e reabilitação de edifícios e todas as atividades conexas como a restauração ou o comércio têm trazido uma lufada de recuperação dos anos de dificuldades. Mas isto não é verdade para todos os setores”, alerta.

O turismo e reabilitação de edifícios e todas as atividades conexas como a restauração ou o comércio têm trazido uma lufada de recuperação dos anos de dificuldades. Mas isto não é verdade para todos os setores.

António Saraiva

Presidente da CIP

“O crescimento da atividade é um sinal de confiança, um fator fundamental em qualquer economia, mas a confiança está a arrefecer“, sublinha o presidente da CIP. Na indústria transformadora, o indicador de confiança da diminuiu entre janeiro e abril, retomando o movimento descendente iniciado em janeiro de 2018, segundo o Instituto Nacional de Estatística.

Neste contexto e tendo em conta que “a carga fiscal para as empresas não baixou, nem houve melhoria das margens de lucro”, António Saraiva rejeita a proposta da CGTP que considera “demagógica” e que “não se baseia na realidade mas em pura ideologia política”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aumento do salário mínimo de 850 euros? “No imediato é um perfeito absurdo”, diz António Saraiva

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião