Crise comercial terá afetado vendas da Huawei em Espanha

As grandes marcas de distribuição em Espanha estarão a registar quebras nas vendas de equipamentos da Huawei, de acordo com a imprensa espanhola.

As sanções dos EUA à Huawei e a suspensão da Google ao fornecimento de tecnologia têm resultado em má publicidade para a marca chinesa. Fontes próximas de algumas das grandes cadeias de distribuição em Espanha reportaram quebras nas vendas de equipamentos da marca. A informação foi apurada pelo Cinco Días.

Sem identificar as fontes, o jornal espanhol refere que as quebras estão a ser registadas no mercado espanhol por distribuidoras como a Amazon, El Corte Inglés, Fnac, PhoneHouse, MediaMarkt e Worten, mas também pelas operadoras Telefónica, Vodafone e Orange. Num dos casos, sem referir a marca em concreto, o Cinco Días aponta que as vendas caíram para metade na última segunda-feira face ao mesmo dia da semana anterior.

O ECO questionou a Huawei Portugal sobre se registou uma quebra nas vendas no mercado português, mas ainda não obteve resposta. Contactadas, a Meo, Nos e Vodafone também não responderam a tempo de publicação deste artigo. A informação é particularmente sensível e não foi possível apurar se o mesmo efeito também está a ser sentido em Portugal.

Só uma fonte próxima de uma grande marca de distribuição portuguesa é que aceitou comentar o caso e garantiu ao ECO que “não tem havido menos procura pelo facto de as últimas notícias terem saído para o mercado”: “Para já, não temos sentido qualquer impacto nas vendas”, sublinhou. Reconheceu, contudo, a preocupação que se instalou junto dos portugueses, da qual é reflexo os vários pedidos de informação e esclarecimento feitos pelos clientes nas lojas.

Depois de os EUA terem posto a Huawei na lista negra das exportações na semana passada, tornou-se muito complicado para as empresas norte-americanas manterem negócios com o conglomerado chinês. A primeira medida conhecida foi a da Google, que anunciou uma suspensão no fornecimento de tecnologia à Huawei, nomeadamente o licenciamento da loja de aplicações Play Store no Android, ou mesmo do YouTube, para os novos equipamentos que ainda não foram lançados.

Foi ainda anunciado que os equipamentos atuais, em loja ou em stock, poderão perder o direito às atualizações de segurança que sejam desenvolvidas pela Google. No entanto, os EUA suspenderam a sanção por 90 dias esta terça-feira e a Huawei tem estado a negociar com a tecnológica norte-americana desde então.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crise comercial terá afetado vendas da Huawei em Espanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião