SoftBank e pares japonesas adiam lançamento de telemóveis da Huawei

  • Lusa
  • 22 Maio 2019

As ondas de choque das sanções dos EUA à Huawei chegaram ao Japão. O SoftBank e a KDDI decidiram adiar o lançamento de telemóveis da marca chinesa, enquanto a NTT Docomo decidiu parar as encomendas.

Dois grandes operadores de telecomunicações japoneses anunciaram esta quarta-feira o adiamento do lançamento de novos smartphones da marca chinesa Huawei, na sequência da decisão de Washington de por o conglomerado chinês na lista negra das exportações. O presidente norte-americano, Donald Trump, decidiu na semana passada proibir as exportações de produtos tecnológicos norte-americanos para determinadas empresas consideradas de risco, tendo em vista a Huawei.

A KDDI e o SoftBank, respetivamente segundo e terceiro maiores operadores no Japão, explicaram que optaram por um adiamento para avaliar o impacto das sanções norte-americanas. Por outro lado, o pioneiro do setor, NTT Docomo, anunciou que “parou as encomendas” de um modelo que previa lançar este verão sem, contudo, declarar que adiaria o lançamento.

O SoftBank tinha inicialmente previsto comercializar um novo terminal Huawei na sexta-feira, mas suspenderam a venda por tempo indeterminado. “Estamos a analisar se os nossos clientes poderão utilizar o equipamento com toda a segurança”, explicou um porta-voz da companhia, Hiroyuki Mizukami, citado pela AFP. A KDDI também assumiu uma decisão similar, tendo a porta-voz da empresa, Reiko Nakamura, explicado que “estão a estudar as repercussões da decisão norte-americana”.

Como consequência imediata do anúncio de Washington, a Google anunciou no domingo que iria cortar as pontes com a Huawei, quando o grupo chinês depende do gigante norte-americano da Internet para o sistema Android, instalado na maioria dos smartphones no mundo. Sem o Android, a Huawei arrisca-se a não conseguir convencer os clientes a comprarem os dispositivos da marca que não podem descarregar aplicações como o Gmail, Maps e YouTube, por exemplo.

Perante a inquietação dos utilizadores e das empresas norte-americanas, os Estados Unidos concordaram em fazer um adiamento de 90 dias antes de impor sanções para que a Huawei e os seus parceiros de adaptem. Presente em 170 países, a Huawei é suspeita de espiar para Pequim, que terá contribuído largamente para a expansão internacional da empresa chinesa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

SoftBank e pares japonesas adiam lançamento de telemóveis da Huawei

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião