Aos 21 anos, Manuel vai ser CEO por um mês

  • Ricardo Vieira
  • 22 Junho 2019

Nasceu em Leiria, tem formação superior em Economia e está prestes a iniciar um mestrado internacional em Finanças na Nova Business School. Manuel pode ainda vir a ser eleito CEO mundial.

“Estou muito ansioso por começar esta aventura dentro de portas e muito entusiasmado. Acima de tudo, gostava de poder envolver todos os colaboradores da Adecco neste projeto e, de algum modo, mostrar-lhes quem sou e por que fui o escolhido para partilhar este mês com eles. Espero igualmente aprender muito e, se possível, retribuir isso de alguma forma”, confessa Manuel Pachon David que, aos 21 anos, acaba de ser eleito “CEO for one month”, uma iniciativa da Adecco que permite a 46 jovens, nos seus países de origem, experimentar como é ser um líder empresarial.

O objetivo é “proporcionar aos jovens a experiência de trabalho prática que eles precisam para construir as suas carreiras – oferecendo a formação ‘no mundo real’ que não pode ser adquirida na escola ou universidade”, explica Carla Rebelo, CEO da Adecco Portugal.

Por agora, Manuel acompanhará a CEO portuguesa de perto, ficando a conhecer “de forma prática (e real) quer a dinâmica de uma grande empresa, dos seus departamentos e colaboradores, e todos os seus desafios diários. Visitará as várias sucursais e lojas de norte a sul e conhecerá a realidade das unidades de negócio”.

Vai depois participar num bootcamp internacional de três dias em Dusseldorf (Alemanha), onde poderá ser eleito “CEO mundial”, trabalhando ao lado de Alain Dehaze, durante o período de um mês. O resultado é conhecido a 10 de setembro.

Manuel Pachon David, aos 21 anos é eleito “CEO for one month”D.R.

É esse o foco do vencedor nacional. Nascido em Leiria, com formação superior em Economia pela Universidade Católica de Lisboa, e prestes a iniciar um mestrado internacional em Finanças na NOVA Business School, “o objetivo é conseguir contagiar carismaticamente os envolvidos e, mais do que isso, espalhar a marca Adecco além-fronteiras de uma forma autêntica. Ao longo dos vários challenges espero surpreender e conseguir destacar-me exatamente pelo carisma e a vontade em ser o CEO global”, afirma.

Quando se inscreveu na iniciativa “procurava uma experiência no mercado de trabalho, de modo a complementar de alguma a formação académica. Apercebi-me rapidamente do alcance do projeto, quer a nível nacional quer internacional, e fiquei fascinado por se tratar de um projeto completamente diferente e único”.

Vários candidatos de edições passadas acabaram por se juntar ao grupo Adecco e a clientes da empresa, onde ocupam funções permanentes.

Carla Rebelo, CEO Adecco Portugal.D.R.

“Este programa tem ajudado efetivamente os jovens portugueses que nele participam e que por ele têm passado ao longo dos anos, a prosperarem nas suas carreiras e na sua vida profissional, a aumentar a sua confiança e capacidade de exposição e argumentação, oferecendo-lhes aprendizagem baseada em experiência, ganha numa empresa do ranking Fortune 500”, diz Carla Rebelo.

Este ano e, em Portugal, 47% dos participantes entre os 18 e os 22 anos foram mulheres (eram 38% em 2018), “o que revela o maior equilíbrio entre ambos os sexos, no momento da participação e a maior apetência das jovens estudantes pelos cargos de gestão”. “Esta elevada participação feminina revela ainda a tendência de transformação positiva face à forma como as mulheres encaram o seu papel no mercado de trabalho. Quanto às áreas de formação os candidatos são sobretudo provenientes dos cursos de Engenharia, Sales e Marketing”, acrescenta a CEO.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aos 21 anos, Manuel vai ser CEO por um mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião