Com novo acionista, Rui Paiva diz que é tempo de “acelerar o crescimento” da WeDo

O fundador da WeDo Technologies, empresa que vai ser vendida pela Sonaecom à Mobileum, disse ao ECO que o negócio vai permitir que a empresa cresça mais.

Rui Paiva fundou a WeDo Technologies em 2001.D.R.

A WeDo Technologies espera acelerar o seu crescimento quando passar para a esfera da Mobileum, a empresa norte-americana que vai pagar à Sonaecom pelo menos 70 milhões de dólares para ficar com a tecnológica portuguesa. “Vamos trocar de acionista para fazer crescimento”, disse Rui Paiva, cofundador da WeDo, em conversa com o ECO.

“As empresas chegam a uma determinada altura e precisam de acelerar o crescimento. Foi tomada a decisão de que será com outro acionista”, afirmou Rui Paiva, que já tinha confirmado que vai continuar a liderar a empresa, assim como toda a equipa de gestão.

O cofundador lembrou também que “o foco do atual acionista”, o grupo Sonae, não é a tecnologia, mas sim “o retalho”. Em contrapartida, a Mobileum é uma empresa de tecnologia, sublinhou Rui Paiva, garantindo que o negócio foi feito “com o acordo” de todas as partes.

As empresas chegam a uma determinada altura e precisam de acelerar o crescimento.

Rui Paiva

Fundador da WeDo Technologies

A Sonaecom anunciou esta quinta-feira que se prepara para vender a WeDo Technologies aos norte-americanos da Mobileum, uma empresa detida pelo grupo Audax. À semelhança da WeDo, a Mobileum também tem um foco especial no setor das telecomunicações, além de outras áreas de negócio relacionadas com tecnologia.

No limite, a Sonaecom, através da Sonae IM, poderá receber perto de 100 milhões de dólares com a venda da WeDo. O preço base do negócio são 70 milhões de dólares, mas há uma componente variável, de 27 milhões de dólares, “em função da performance do negócio combinado” até ao final de dezembro de 2021.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com novo acionista, Rui Paiva diz que é tempo de “acelerar o crescimento” da WeDo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião