Deutsche Bank afasta qualquer fusão nos próximos três anos

  • Lusa
  • 12 Julho 2019

O presidente executivo do Deutsche Bank afastou a hipótese de o banco alemão vir a envolver-se numa fusão com outro banco durante os próximos três anos.

O presidente do Deutsche Bank, maior banco comercial privado da Alemanha, Christian Sewing, afirmou numa entrevista ao diário alemão Handelsblatt que nos próximos três anos está afastada qualquer fusão com outro banco.

Questionado sobre o perigo de o Deutsche Bank — que anunciou ter em marcha um plano de reestruturação com supressão de 18.000 postos de trabalho — poder ser adquirido por outra instituição por se converter num banco mais pequeno e estável, Sewing respondeu que “se tiverem êxito, a capitalização bolsista também subirá”.

“Então temos a possibilidade de tomar parte numa consolidação europeia como sócio ou comprador, mas não penso nesse tema agora. Agora estamos concentrados primeiro na aplicação do nosso plano [de reestruturação]”, adiantou Sewing.

“Não me quero comprometer categoricamente, mas a minha intenção é aplicar esse plano de forma consequente nos próximos três anos, apesar de termos visto com o Commerzbank que sempre pode surgir algo de novo”, adiantou o presidente do Deutsche Bank.

A 7 de julho, o Deutsche Bank anunciou que vai suprimir 18.000 empregos até 2022, ou seja, um quinto dos efetivos, no âmbito de um plano de reestruturação. “A reestruturação resultará numa redução do número de funcionários” de cerca de “18.000 até ao ano 2022, para reduzir os efetivos para cerca de 74.000 pessoas”, afirmou o banco em comunicado.

O Deutsche Bank, que enfrenta dificuldades financeiras há alguns anos, explicou querer reduzir os seus custos em seis mil milhões de euros, para voltar aos lucros. O grupo alemão tem vindo a levar a cabo um processo de reestruturação com cortes de custos, em que se inclui a redução de pessoal e já cortou milhares de postos de trabalho desde 2015.

O Deutsche Bank não está presente em Portugal, pois vendeu o negócio aos espanhóis do Abanca. A transação foi anunciada em 27 de março do ano passado, mas só em junho deste ano foi transferida toda a carteira de clientes particulares e pequenas empresas e os respetivos ativos para o Abanca.

A decisão de sair de Portugal foi explicada na altura com a necessidade de reduzir “a complexidade orgânica do grupo”, tendo sido transferidos sem despedimento para o Abanca mais de três centenas de trabalhadores do Deutsche Bank em Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Deutsche Bank afasta qualquer fusão nos próximos três anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião