Preço das casas disparou. Mas não é preciso fazer nada, diz o FMI

O turismo levou os estrangeiros a comprarem cada vez mais casas em Portugal, o que fez disparar os preços do setor. Mas, para o FMI, "não é preciso nenhuma intervenção política imediata".

Não é novo que os preços das casas continuam a aumentar, embora a um ritmo que comece a mostrar sinais de desaceleração. Quem já reconheceu isso foi o Fundo Monetário Internacional (FMI) que defende que, apesar desse forte aumento dos preços — devido, sobretudo, aos estrangeiros –, não é necessário tomar medidas políticas para pôr um travão, pelo menos para já. Ainda assim, alerta que as autoridades nacionais devem acompanhar de perto o mercado e estar prontas a tomar medidas caso seja necessário.

A maioria das transações imobiliárias que fizeram disparar os preços das casas aconteceram em “locais-chave”, como Lisboa e Porto, e estiveram ligadas ao “forte crescimento do setor do turismo e aos investimentos diretos de não-residentes”, começa por referir o FMI, num relatório publicado esta sexta-feira. A presença — e o consequente peso — dos investidores estrangeiros começou a ser reforçada a partir de 2014, principalmente no mercado de luxo. Entre 2013 e 2017, 35% das compras superiores a 500 mil euros foram da responsabilidade destes não-residentes.

Contudo, a instituição até agora liderada por Christine Lagarde alerta que estes números podem não espelhar verdadeiramente o peso que os investidores internacionais têm no mercado imobiliário, uma vez que muitos compradores adquirem o estatuto de residente quando compram um imóvel. Exemplo disso são os vistos gold, que permitem a um cidadão estrangeiro obter uma autorização especial de residência em Portugal através de um investimento, por exemplo a compra de uma casa de valor igual ou superior a 500 mil euros.

Ainda assim, crédito habitação levanta preocupações

Neste sentido, e face aos preços das casas que continuaram a subir, a instituição financeira defende que “não é preciso nenhuma ação política imediata”, uma vez que “essas subidas variam de região para região”.

Mas há um fator que levanta preocupações ao FMI: os créditos concedidos para a compra de casa. “A maioria das transações imobiliárias não foi financiada com hipotecas”, lê-se no relatório. “Ainda assim, se a forte subida dos preços continuar, isto poderá levar a um aumento dos créditos à habitação (inclusive através de operações de refinanciamento), aumentando, ainda mais, a exposição da banca ao mercado imobiliário”.

Concluindo, a instituição sublinha que as casas continuam a estar cada vez mais caras — “apesar de alguns sinais recentes de arrefecimento” –, e que estes aumentos se devem à “forte procura dos não-residentes e ao turismo”. Mas ainda não é necessário agir. Contudo, “as autoridades portuguesas devem acompanhar de perto a evolução dos mercados hipotecários e estar prontas a ajustar as medidas macroprudenciais, se for preciso”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Preço das casas disparou. Mas não é preciso fazer nada, diz o FMI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião