Entre juros em mínimos e pressão externa, rating português vai hoje a exame pela Moody’s

A apenas dois meses das eleições legislativas, Moody's poderá preferir esperar para ver, apesar de ser a agência de notação financeira que atribui, atualmente, pior rating a Portugal.

O brilharete dos juros da dívida portuguesa não deverá passar despercebido às agências de notação financeira, mas as incertezas sobre a economia global também não. Com fatores positivos e negativos a pesarem na balança, não há certezas sobre o que irá a Moody’s fazer esta sexta-feira à noite quando avaliar o rating de Portugal.

“Até é difícil de justificar uma decisão de não subir tendo em conta os desenvolvimentos positivos. Desde a última revisão em que a Moody’s se pronunciou, os juros caíram a pique e estão em mínimos históricos“, afirmou Filipe Garcia, economista e presidente da IMF – Informação de Mercados Financeiros, que espera uma revisão em alta do rating.

A Moody’s avalia atualmente Portugal no primeiro nível do grau de investimento (Baa3) com perspetiva estável. Uma revisão em alta poderia levar o rating para Baa2, ou seja, o segundo degrau do patamar de investimento de qualidade, onde as pares Standard and Poor’s, Fitch e DBRS veem o país, sendo que as duas últimas têm também perspetiva positiva (que sinaliza a possibilidade de nova subida nos seis a 12 meses seguintes).

Na última avaliação da Moody’s, em fevereiro, decidiu não se pronunciar sobre o país. Assim, a última vez em que o fez foi em outubro, quando tirou o rating do “lixo”. Na altura, a yield das obrigações do Tesouro a dez anos negociava em torno de 2%. Desde então, afundou para próxima de 0,2%, tendo chegado mesmo a tocar o mínimo histórico de 0,15% esta semana.

“Há o fator positivo que são as taxas de juro, mas há maior receio no mercado sobre a desaceleração da economia global e a guerra comercial”, sublinhou Mário Carvalho Fernandes, diretor de Investimentos do Banco Carregosa, acrescentando que “para já, esperaria que o rating se mantivesse inalterado”.

Yield da dívida a dez anos negoceia próxima de 0,20%

Fonte: Reuters

Eleições legislativas aumentam incerteza

O rating é “sempre um balanço de riscos”, como diz Garcia e nos pratos da balança Portugal tem, além dos juros da dívida, outros fatores positivos. A contínua melhoria nas contas públicas deverá ser novamente apontada como ponto positivo até porque o Governo espera um défice de apenas 0,2% este ano e excedente orçamental no próximo, enquanto a recente mudança metodológica que engordou o rácio da dívida pública face ao PIB deverá ser ignorada já que o valor absoluto não se altera.

E Mario Draghi dá uma ajuda de peso. Tem sido a política monetária expansionista a reduzir os custos de financiamento dos países e o Banco Central Europeu (BCE) já anunciou que está a preparar um novo pacote de estímulos para depois do verão. Mas se a rede de segurança do BCE ajuda à manutenção de baixas taxas de juro para Portugal, a razão para Draghi relançar os estímulos prejudica.

Do outro lado da balança está a economia global. O fim do ciclo de crescimento está a ser pressionado pela guerra comercial entre Estados Unidos e China, levando instituições como a Comissão Europeia ou o Fundo Monetário Internacional a mostrarem-se mais pessimistas para este ano. Com o exacerbar das tensões entre as duas maiores potenciais do mundo, aumentam os receios sobre o impacto da guerra comercial e a possibilidade de recessão.

"As perspetivas futuras poderão justificar alguma cautela.”

Mário Carvalho Fernandes

Diretor de Investimentos do Banco Carregosa

No meio estão as eleições. Esta é a última avaliação da Moody’s antes das legislativas de outubro. Apesar de as sondagens indicarem que o PS se mantenha na governação do país, o economista da IMF considera que “as eleições são a principal razão para a agência de rating se mostrar cautelosa porque às vezes há surpresas”.

Tal como outras agências de notação já fizeram, a Moody’s poderá alertar para o risco de propostas eleitorais (como progressões salariais na Função Pública, aumentos dos salários mínimos ou diminuição de impostos) levarem a uma derrapagem nas contas públicas. A dúvida prende-se com o peso que a agência norte-americana irá a atribuir a cada fator nos pratos da balança.

Carvalho Fernandes, do Carregosa, reconhece que “a evolução de Portugal tem sido positiva, nomeadamente no crescimento económico e na diminuição do malparado” e lembra que “estas revisões de rating têm em conta fatores internos e externos”. Ainda assim, lembra que Portugal é uma economia aberta e, por isso, mais suscetível a riscos internacionais. “As perspetivas futuras poderão justificar alguma cautela”, acrescentou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Entre juros em mínimos e pressão externa, rating português vai hoje a exame pela Moody’s

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião