Dívida pública baixa para 122,2% do PIB em junho. É o valor mais baixo em sete anos

A dívida pública deu um trambolhão em junho, com o reembolso de oito mil milhões de euros aos investidores. Rácio caiu para 122,2% do PIB no último trimestre, o valor mais baixo desde março de 2012.

A dívida pública portuguesa deu um trambolhão no segundo trimestre do ano, tendo chegado a junho aos 122,2% do Produto Interno Bruto (PIB). Trata-se do valor mais baixo desde o início de 2012, cerca de um ano depois de a troika ter aterrado em Lisboa no âmbito do resgate financeiro internacional.

Segundo o boletim estatístico divulgado esta quinta-feira pelo Banco de Portugal, a dívida pública na ótica de Maastricht baixou dos 125,1% em março para os 122,2% em junho, verificando-se uma queda de quase três pontos percentuais no decorrer do segundo trimestre do ano. Atingiu um valor absoluto de 251,2 mil milhões de euros em junho, um valor que foi revisto em alta pelo banco central face à primeira divulgação no início deste mês, incorporando já alterações na metodologia de contabilização da dívida pública.

Em março de 2012, ascendia a 118,2% do PIB, tendo disparado no trimestre seguinte para os 123,5%, perante o agravamento da crise económica. Há sete anos que o rácio do endividamento público não era tão baixo.

Para esta evolução positiva no rácio da dívida pública observada no segundo trimestre deste ano contribuiu, sobretudo, o reembolso de mais de oito mil milhões de euros que Portugal teve de efetuar aos mercados no dia 14 de junho.

Dívida pública cai no segundo trimestre

Fonte: Banco de Portugal

Apesar da descida acentuada, o Governo tem uma meta mais ambiciosa para a evolução da dívida pública este ano. Mário Centeno fixou como objetivo os 118,6% do PIB para 2019 no Programa de Estabilidade, o que significa que o rácio do endividamento terá de cair de uma forma mais acelerada durante a segunda metade do ano. O Governo já admitiu, porém, que pode rever as metas tendo em conta a revisão da metodologia usada para a calcular, que passa a incluir os juros capitalizados dos certificados de aforro.

O ministro das Finanças já adiantou que até dezembro Portugal pagará antecipadamente aos credores oficiais europeus 2.000 milhões de euros, o que vai permitir poupanças na ordem dos 100 milhões de euros.

Além dos reembolsos, que ajudam a baixar o endividamento, para o rácio da dívida pública conta ainda o andamento da economia. Com uma aceleração mais forte do PIB, maior será a queda do rácio da dívida. O Governo aponta para um crescimento económico de 1,9% este ano.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívida pública baixa para 122,2% do PIB em junho. É o valor mais baixo em sete anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião