Portugueses trabalham 27 dias para comprar novo iPhone

  • ECO
  • 11 Setembro 2019

Em média, os cidadãos portugueses têm de trabalhar quase um mês inteiro para poderem comprar o novo iPhone 11 Pro, tendo por base o preço do aparelho e o salário médio líquido nacional.

O português médio tem de trabalhar mais de 27 dias para poder comprar o iPhone 11 Pro. A conclusão é da plataforma de descontos polaca Picodi, que todos os anos faz as contas ao número de dias que os cidadãos de vários países têm de trabalhar para poderem adquirir os novos telemóveis da Apple.

Tendo por base o preço de 1.179 euros do novo iPhone 11 Pro de 64 GB em Portugal e um salário médio nacional líquido de 911 euros, a plataforma concluiu que os portugueses, em média, precisam de trabalhar 27,2 dias para poderem comprar o aparelho ao preço normal.

Em contrapartida, o iPhone tem um custo líquido maior no México, onde os consumidores têm de trabalhar, em média, mais de 54 dias para poderem adquirir o smartphone. No fundo da lista está a Suíça, em que 4,8 dias de trabalho bastam para que se possa adquirir o telemóvel.

A Apple apresentou três novos iPhones esta terça-feira, com os preços a fixarem-se entre 829 euros e 1.679 euros, conforme o modelo adquirido (11, 11 Pro ou 11 Pro Max) e a capacidade de armazenamento do aparelho. Os novos telemóveis têm maior autonomia e melhorias significativas ao nível das câmaras, com os iPhones da gama Pro a incluírem três câmaras na parte de trás.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses trabalham 27 dias para comprar novo iPhone

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião