Fed corta juros pela segunda vez este ano. Taxa máxima cai para 2%

Banco central norte-americano colocou o intervalo de juros entre os 1,75% e 2%, cumprindo a expetativa dos mercados de que a Fed cortaria novamente a taxa diretora dos EUA.

A Reserva Federal (Fed) norte-americana voltou a cortar os juros de referência no país. Esta é a segunda descida nas taxas de juro dos EUA desde 2008, sendo que o corte de 25 pontos base, anunciado esta quarta-feira após uma reunião de dois dias de política monetária, colocou o intervalo entre 1,75% e 2%.

“À luz das implicações dos desenvolvimentos globais para o outlook económico, bem como das pressões inflacionistas moderadas, o comité decidiu baixar o intervalo da federal funds rate“, anunciou a Fed.

Os Estados Unidos vivem atualmente o maior ciclo económico da história do país e o banco central aponta para uma “expansão sustentada da atividade económica, condições fortes do mercado de trabalho e inflação próxima do objetivo de 2%”.

A Fed reviu em alta a projeção para o crescimento do produto interno bruto (PIB) dos EUA, cuja economia vê agora a acelerar 2,2% em 2019 (contra a estimativa de 2,1% em junho). Antecipa mais desemprego (3,7%, face aos anteriores 3,6%) e manteve a projeção de inflação em 1,8%.

“No entanto, as incertezas quanto ao outlook mantêm-se”, sublinhou, justificando o segundo corte de juros deste ano. Na última reunião, a 31 de julho, a Fed realizou a primeira descida desde dezembro de 2008, sinalizando que se irá manter atenta às condições económicas e que poderá agir novamente caso os objetivos não se concretizem.

Tal como desta vez, na altura tinha justificado a decisão com os desenvolvimentos a nível global que têm afetado as perspetivas económicas da maior economia do mundo. Agora, tanto Powell como outros 6 dos 10 membros do comité votaram a favor da descida de 25 pontos base. James Bullard votou contra porque queria um corte maior, enquanto apenas dois elementos defenderam a manutenção da taxa.

A decisão já era antecipada pelos mercados pelo que a reação foi moderada. Em Wall Street, as principais bolsas mantiveram-se em terreno negativo, com perdas abaixo de 0,5%, enquanto o dólar e os juros da dívida norte-americana continuam em alta.

Quem também não se mostrou agradado foi o presidente Donald Trump. O líder da administração norte-americana, que tem pressionado Powell a descer os juros, criticou a decisão. Para este ano, a Fed sinalizou que a maioria dos decisores do comité não vê novos cortes este ano e Trump respondeu: “Jay Powell e a Reserva Federal falharam novamente. Sem coragem, sem noção, sem visão! Um comunicador terrível!”.

(Notícia atualizada às 19h30)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fed corta juros pela segunda vez este ano. Taxa máxima cai para 2%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião