Randstad transforma a experiência da atração e retenção de talento

O programa de atração e retenção de talento, “customer delight”, mede de forma contínua a experiência dos seus candidatos, colaboradores e clientes através da monitorização de dados em tempo real.

A empresa de recrutamento Randstad Portugal lançou um novo projeto de atração e retenção de talento, o “Customer Delight”, que mede de forma contínua a experiência dos seus candidatos, colaboradores e clientes através da monitorização de dados em tempo real. Esta é uma forma de valorizar e reter talentos, valorizando o fator humano.

“Acreditamos que o fator humano já é parte do nosso ADN, mas que, por algum motivo, por vezes, no dia-a-dia, nos esquecemos. O customer delight é esse reforçar de quem somos e é a transformação que precisamos para entregar a nossa promessa de human forward”, afirma José Miguel Leonardo, CEO da Randstad Portugal, citado em comunicado.

Desde o início do ano, a Randstad Portugal tem feito questionários, em contínuo, dos momentos mais importantes no percurso dos candidatos, e dos próprios colaboradores. “Fatores como o pagamento de salário atempado são menos importantes do que o saber que tenho um consultor que me pode apoiar durante o meu trabalho na Randstad. Vermos num gráfico a importância desse momento eleva a nossa responsabilidade”, reforça Inês Veloso, diretora de marketing e comunicação da multinacional de recrutamento.

“Em suma, promover customer delight representa de forma sistémica promover responsabilidade social. No recrutamento e na retenção de talento não há match perfeito sem conhecer a verdadeira equação de necessidades, representações, práticas, motivações, expectativas, em todo o seu conjunto simultaneamente entre um empregador e candidato/colaborador“, refere Sara Alves, permanent placement consultant da Ranstad.

Esta iniciativa arrancou em 2017 com a definição do percurso de cada um dos stakeholders, recorrendo à metodologia Agile. No segundo momento foram questionados os públicos-alvo para identificar quais os momentos que realmente marcavam a diferença. A metodologia Agile tem como base a aceleração dos processos num projeto, o trabalho em equipa auto-organizadas, multidisciplinares e motivadas, para atingir uma meta estabelecida a cada fase. O objetivo do método Agile é “entregar valor” de forma mais rápida, gerando mais satisfação, mais eficiência e produtividade.

"O customer delight é esse reforçar de quem somos e é a transformação que precisamos para entregar a nossa promessa de human forward.”

José Miguel Leonardo,

CEO da Randstad Portugal

Os resultados da medição contínua reforçam a necessidade de humanizar cada vez mais a relação entre a Randstad e os seus stakeholders. “Recorremos ao conceito de #everydayhero que é o arquétipo da nossa marca e ao mesmo tempo é o perfil que procuramos para a nossa empresa, heróis do dia-a-dia” esclarece Inês Veloso.

A empresa faz este acompanhamento por áreas de negócio, não esquecendo os colaboradores internos e os candidatos, mesmo que não estejam em processo de recrutamento. A Randstad Portugal é uma das empresas pioneiras na implementação do customer delight experience, em paralelo com outros países do grupo a nível mundial, como a Bélgica, Holanda, Luxemburgo e Canadá.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Randstad transforma a experiência da atração e retenção de talento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião