Uber vai ter rede exclusiva de postos para carros elétricos

A Uber vai instalar três hubs em Lisboa e dois no Porto que permitem carregar até oito automóveis elétricos em simultâneo. A medida deverá ajudar motoristas e proprietários e carros elétricos.

Os motoristas da Uber vão ter uma rede exclusiva de postos de carregamento rápido para carros elétricos. A empresa vai instalar três polos em Lisboa e dois no Porto, que permitirão fazer cerca de 850 carregamentos por dia e deverão facilitar a vida a todos os que conduzem este tipo de automóveis.

O projeto foi anunciado pela Uber esta terça-feira e resulta de uma parceria com a Power Dot, uma startup que fornece tecnologia para o setor da mobilidade elétrica. Em Lisboa, os postos estarão localizados em Portela, Doca de Santo Amaro e Tires. No Porto, serão em Maia e Bonfim. Cada hub permitirá carregar “entre quatro a oito” carros ao mesmo tempo, promete a Uber.

Os motoristas ou parceiros interessados em usarem a nova rede exclusiva da Uber já se podem registar no site que foi lançado pela Power Dot. Apesar de não existir informação sobre os preços do serviço nessa página, fonte oficial da Uber Portugal disse ao ECO que o custo “vai variar entre 13 cêntimos e 15 cêntimos por minuto”, uma “poupança estimada de 1,65 euros por carregamento” face à rede normal.

A inexistência de uma rede de carregamento dedicada à Uber é uma das principais dificuldades sentidas por motoristas e proprietários destes automóveis. Há cada vez mais veículos elétricos nas estradas e, como nem sempre é fácil encontrar um posto disponível, os motoristas vão ter mais sítios onde carregar. Ao mesmo tempo, a rede comercial deverá ganhar mais espaço para os carregamentos dos cidadãos.

À semelhança das aplicações concorrentes, a Uber tem um serviço exclusivamente elétrico, a que chama de Uber Green. Num comunicado, a empresa “estima que os veículos elétricos disponíveis na aplicação” já poupem 40 toneladas de emissões de CO2 diariamente, ou 2.080 toneladas anuais. O CO2, vulgo dióxido de carbono, é um dos principais gases com efeito de estufa e um dos grandes responsáveis pelo aquecimento global.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uber vai ter rede exclusiva de postos para carros elétricos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião