Uber vai ter rede exclusiva de postos para carros elétricos

A Uber vai instalar três hubs em Lisboa e dois no Porto que permitem carregar até oito automóveis elétricos em simultâneo. A medida deverá ajudar motoristas e proprietários e carros elétricos.

Os motoristas da Uber vão ter uma rede exclusiva de postos de carregamento rápido para carros elétricos. A empresa vai instalar três polos em Lisboa e dois no Porto, que permitirão fazer cerca de 850 carregamentos por dia e deverão facilitar a vida a todos os que conduzem este tipo de automóveis.

O projeto foi anunciado pela Uber esta terça-feira e resulta de uma parceria com a Power Dot, uma startup que fornece tecnologia para o setor da mobilidade elétrica. Em Lisboa, os postos estarão localizados em Portela, Doca de Santo Amaro e Tires. No Porto, serão em Maia e Bonfim. Cada hub permitirá carregar “entre quatro a oito” carros ao mesmo tempo, promete a Uber.

Os motoristas ou parceiros interessados em usarem a nova rede exclusiva da Uber já se podem registar no site que foi lançado pela Power Dot. Apesar de não existir informação sobre os preços do serviço nessa página, fonte oficial da Uber Portugal disse ao ECO que o custo “vai variar entre 13 cêntimos e 15 cêntimos por minuto”, uma “poupança estimada de 1,65 euros por carregamento” face à rede normal.

A inexistência de uma rede de carregamento dedicada à Uber é uma das principais dificuldades sentidas por motoristas e proprietários destes automóveis. Há cada vez mais veículos elétricos nas estradas e, como nem sempre é fácil encontrar um posto disponível, os motoristas vão ter mais sítios onde carregar. Ao mesmo tempo, a rede comercial deverá ganhar mais espaço para os carregamentos dos cidadãos.

À semelhança das aplicações concorrentes, a Uber tem um serviço exclusivamente elétrico, a que chama de Uber Green. Num comunicado, a empresa “estima que os veículos elétricos disponíveis na aplicação” já poupem 40 toneladas de emissões de CO2 diariamente, ou 2.080 toneladas anuais. O CO2, vulgo dióxido de carbono, é um dos principais gases com efeito de estufa e um dos grandes responsáveis pelo aquecimento global.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uber vai ter rede exclusiva de postos para carros elétricos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião