Malparado da banca cai 2,5 mil milhões desde o início do ano. Falta “limpar” 23,4 mil milhões

Bancos portugueses chegaram a junho deste ano com um rácio de crédito malparado nos 8,3%, uma redução de 1,1 pontos percentuais face a dezembro.

Os bancos portugueses continuam com a difícil de missão de baixar a exposição a ativos problemáticos para níveis de acordo com as exigências dos reguladores. Na primeira metade do ano esse esforço resultou numa redução do stock de crédito malparado (os chamados non performing loans) em cerca de 2,5 mil milhões de euros. O sistema financeiro chegou a junho com um rácio de NPL de 8,3%, menos 1,1 pontos percentuais (p.p.) face a dezembro.

Os dados foram divulgados esta quinta-feira pelo Banco de Portugal, que no relatório trimestral sobre o Sistema Bancário Português fornece uma radiografia sobre a saúde da banca portuguesa.

No que toca aos NPL, os bancos nacionais ainda detinham no balanço 23,45 mil milhões de euros em termos brutos a 30 de junho. Se descontarmos as imparidades que já foram constituídas para fazer face a estes ativos tóxicos, o valor líquido do malparado na banca situa-se nos 11,2 mil milhões de euros (ou um rácio de 4,4% face ao total de crédito).

Por definição, um crédito malparado surge quando um cliente bancário deixa de pagar as prestações de um empréstimo e o banco tem de classificar esse crédito como não produtivo. E é um problema para o banco porque pode perder parte ou a totalidade do empréstimo, assim como os juros e comissões. Por outro lado, os reguladores tendem a exigir mais requisitos de capital aos bancos com níveis elevados de NPL.

Em Portugal, o malparado continua a ser um dos principais desafios. Mas a tendência de redução do stock e do rácio tem sido por demais evidente nos últimos anos. Depois de ter atingido o pico no final de 2015, nos 50 mil milhões de euros (17,5% do total dos empréstimos), o malparado tem vindo a reduzir-se de forma significativa fruto sobretudo das reestruturações levadas a cabo nos principais bancos: Novo Banco, Caixa Geral de Depósitos (CGD) e BCP. De lá para cá o volume de NPL no balanço dos bancos já caiu mais de 25 mil milhões de euros, ou seja, reduziu-se para menos de metade. As autoridades estão a exigir um rácio de 5% rumo a essa meta que os bancos correm.

A diminuição do malparado tem sido conseguida sobretudo através da venda de carteiras a empresas especializadas na recuperação de créditos. Outros caminhos passam pelos processos de recuperação dos empréstimos pelos próprios bancos ou pelo abate dos empréstimos no ativo.

NPL em queda

Fonte: Banco de Portugal

Bancos (um pouco) mais rentáveis

Em termos gerais, a fotografia tirada pelo Banco de Portugal ao sistema bancário evidencia melhorias na rentabilidade e eficiência dos bancos, isto depois dos anos de crise ter obrigados as instituições a reestruturações que implicaram cortes de agência e trabalhadores. Na última ronda de apresentação de resultados, os presidentes dos principais bancos nacionais sublinharam a necessidade de manter este esforço não só porque têm planos a cumprir, mas também porque o Banco Central Europeu (BCE), com a política de juros mínimos, vai pressionar o negócio bancário nos próximos anos.

Segundo os dados apresentados pelo regulador, a rendibilidade do ativo (ROA) dos bancos aumentou 0,05 p.p. face ao primeiro semestre de 2018, tendo-se situado em 0,8% e a rendibilidade do capital próprio (ROE) aumentou 0,74 p.p. cifrando-se em 8,4%.

“O aumento do ROA refletiu a subida dos outros resultados de exploração, uma diminuição do fluxo líquido de provisões e, em menor grau, um aumento da margem financeira. Esta dinâmica foi parcialmente compensada por uma deterioração dos
resultados de operações financeiras”, explica o Banco de Portugal no relatório.

Com ganhos de rendibilidade vieram ganhos de eficiência, medida pelo rácio cost-to-income. A eficiência “aumentou, refletindo um crescimento do produto bancário superior ao dos custos operacionais”, diz o supervisor.

(Notícia atualizada às 11h49)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Malparado da banca cai 2,5 mil milhões desde o início do ano. Falta “limpar” 23,4 mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião