Com a economia a abrandar, “só as empresas mais bem preparadas terão sucesso na bolsa”

A bolsa de Lisboa tem tido dificuldades em captar empresas e ainda não houve nenhum IPO em 2019, o que poderá ser agravado pela economia. Mas a Euronext mantém aposta nas tecnológicas.

A desaceleração da economia portuguesa é um desafio adicional para a bolsa de Lisboa, que tem tido dificuldades em captar novas empresas. A head of listing da Euronext Lisbon, Filipa Franco, admite que o abrandamento económico poderá levar a novos cancelamentos ou adiamentos de operações, mas diz acreditar que há empresas com capacidade de chegar ao mercado acionista português.

“Os mercados são efetivamente voláteis e suscetíveis à incerteza que em cada momento se possa viver na economia mundial. Períodos de maior incerteza tornam a realização de operações em bolsa (em particular novas admissões) mais desafiantes e que podem assim levar ao cancelamento ou adiamento de operações que estejam a ser preparadas”, respondeu Filipa Franco, ao ECO, quando questionada sobre o crescimento do PIB que tem vindo a desacelerar desde o ano passado.

Foi o que aconteceu entre o final do ano passado e início deste, quando a Sonae MC e a Science4You falharam entradas em bolsas, enquanto a Pharol e a Vista Alegre cancelaram aumentos de capital.

Mas Filipa Franco acredita que a incerteza sobre a economia (não só portuguesa, mas global) e o aumento dos riscos “não significa, contudo, que não é possível concretizar operações nestes momentos, mas significa, sim, que apenas as operações e as empresas mais bem preparadas conseguirão concretizar com sucesso a sua admissão em bolsa”.

Nunca houve tão poucas cotadas na bolsa de Lisboa. Com as saídas da Transisular, da SAG – Soluções Automóvel Globais e da Compta, este ano, passam apenas a 53. Apesar da criação dos regimes de Sociedades de Investimento para o Fomento da Economia (SIMFE) e das Sociedades de Investimento e Gestão Imobiliária (SIGI) trazerem renovada esperança. Não são conhecidos ainda nomes, mas a Euronext Lisbon diz que há perspetivas de novas entradas em bolsa.

Temos estado em contacto com agentes de mercado (bancos, escritórios de advogados e também algumas empresas) que revelam um interesse concreto na admissão de novas empresas na Euronext Lisbon, mas a preparação de um admissão à bolsa é um processo que envolve decisões de natureza estratégica que têm de ser cuidadosamente avaliadas, pelo que não posso comentar nenhuma operação em concreto até que seja pública”, diz Filipa Franco.

Euronext volta a apostar nas tecnológicas. Há sete portuguesas

Além destes instrumentos em Portugal, a Euronext tem apostado a nível europeu nas tecnológicas. Pelo quinto ano consecutivo, a gestora de índices acionistas está a realizar o programa TechShare, que pretende dar formação a empresas tecnológicas sobre o que é uma oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) e o que é necessário para estar em bolsa.

Este ano são 132 empresas de nove países europeus diferentes, incluindo pela primeira vez da Irlanda (país cuja bolsa foi comprada pela Euronext). De Portugal, há sete participantes com um volume negócios médio, em 2018, de 2,9 milhões de euros. Apesar de o TechShare não se limitar a ser um curso para entrar em bolsa, há empresas que já piscam o olho a esta forma de financiamento.

Para a empresa de robótica e drones EVA – Electric Visionary Aircrafts esse é o objetivo nos próximos 18 meses. “O nosso modelo tem por base crescimento” e precisa de “mais capital para impulsionar a expansão”, diz ao ECO. Já a empresa WeTek, de software, está no TechShare para “adquirir conhecimento para avançar de forma informada na estrutura e poder administrativo”, mas admite que o IPO poderá estar nos planos dentro de dois a três anos.

Nos últimos anos, várias empresas tecnológicas nascidas em Portugal provaram ser altamente inovativas, capazes de alcançar uma presente internacional muito significativa, frequentemente com uma posição de liderança nos seus negócios e conseguindo angariar, com sucesso, capital junto de investidores internacionais. Mas a capacidade de abrir o capital em bolsa não é necessariamente uma questão de tamanho.

Camille Leca, chief operating officer da divisão de Listing Business da Euronext

Ambas consideram que a Euronext é o parceiro ideal para a entrada a bolsa, mas a tecnológica Polygon, especializada em serviços digitais, não exclui a hipótese de abrir o capital noutra geografia, tal como fez a Farfetch em Wall Street.

“O principal fator é sentirmos que a empresa estará preparada para fazer o IPO. Em termos de business plan não precisamos de o fazer até 2021, pelo que só depois, e considerando o crescimento internacional da empresa, equacionaremos a possibilidade, bem como o local ideal para o fazer”, conta. Além destas três empresas portuguesas, a lista de participantes nacionais no TechShare inclui também a telecom Celfinet e outras três empresas que preferiram não ser identificadas.

IPO de tecnológicas portuguesas?

Desde o lançamento, em 2015, já passaram pelo TechShare 280 empresas tecnológicas. Destas, quatro (todas elas francesas) fizeram IPO: a Osmozis em fevereiro de 2017, a Theranexus no outubro seguinte, a Balyo em junho desse ano e a Oxatis em abril de 2018. “Temos também a boa notícia de ter um quinto IPO a ser preparado por uma empresa do programa TechShare. É uma empresa holandesa chamada CM.com”, explica Camille Leca, chief operating officer da divisão de Listing Business da Euronext.

O grupo conta com 482 emitentes tecnológicas e acredita que poderá vir a reforçar a presença de empresas portuguesas do setor, sendo que atualmente as tecnológicas na bolsa de Lisboa são a Novabase, Glintt, Reditus e Sonaecom. “O número de empresas portuguesas participantes no TechShare tem vindo a crescer nos últimos anos e, ao longo do tempo, estas têm crescido em maturidade, revelando um interesse crescente no mercado de capitais“, diz Leca.

A COO lembra que há várias tecnológicas portuguesas a ganhar relevo e a conseguir captar cada vez maiores quantidades de capital junto de investidores internacionais. É o caso de Outsystems, Fedzai, Unbabel, Codacy ou Farfetch.

“A capacidade de abrir o capital não é necessariamente uma questão de tamanho. O capital angariado não tem de ser massivo, nem é preciso esperar anos antes de considerar entrar em bolsa“, sublinha Camille Leca, quando questionada sobre se as empresas portuguesas têm dimensão suficiente.

Enquanto os IPO têm sido limitados na bolsa de Lisboa (ainda não aconteceu nenhum este ano), tem sido a emissão de dívida a captar maior interesse. Por um lado, Filipa Franco vê a tendência como positiva já que tanto capital como dívida permitem “o reforço da sustentabilidade financeira das empresas”, alargamento das fontes de financiamento, redução do custo de financiamento e acréscimo de credibilidade.

Por outro, Camille Leca alerta que, no caso das tecnológicas, a emissão de obrigações poderá ser uma forma de financiamento limitada. “Quando falamos de inovação, a dívida dificilmente é uma opção sustentável e o reforço de capitais próprios (equity) é a melhor forma para evoluir“, acrescenta.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com a economia a abrandar, “só as empresas mais bem preparadas terão sucesso na bolsa”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião