Faltam resultados à plataforma de crédito malparado, alerta Bruxelas

  • Lusa
  • 8 Outubro 2019

A Comissão Europeia considera que faltam resultados significativos à plataforma de crédito malparado, e que Portugal continua a apresentar o terceiro maior volume de malparado.

A Comissão Europeia (CE) considera que faltam resultados significativos à plataforma de crédito malparado, criada no final de 2017, e que, apesar dos progressos feitos pelos bancos portugueses, Portugal continua a apresentar o terceiro maior volume de malparado.

Segundo o relatório divulgado esta terça-feira na sequência da décima missão de acompanhamento pós-programa, que decorreu entre 14 e 19 de junho passado, em Lisboa, a qualidade dos ativos bancários melhorou e foi notória em 2018 a redução do malparado, ajudada sobretudo pelas vendas pelos bancos de carteira de empréstimos em incumprimento (seis mil milhões de euros em 2018).

Isto levou o rácio de malparado a descer do “marco psicológico de 10% pela primeira vez desde a crise financeira em Portugal”, ao passar dos 17,9% em junho de 2016 para 9,4% em final de 2018. Contudo, refere o relatório, o rácio do crédito malparado (face ao crédito total) continua em Portugal acima da média da zona euro e é o terceiro mais alto da União Europeia (UE), depois da Grécia e de Chipre.

O relatório fala ainda da plataforma de gestão integrada de crédito malparado, de que fazem parte Caixa Geral de Depósitos (CGD), BCP e Novo Banco, considerando que ainda “não produziu ainda resultados significativos” e o seu funcionamento permanece complicado. Apesar dos mil milhões de euros em créditos geridos já terem sido analisados e as estratégias elaboradas, a implementação continua a ser o “verdadeiro teste”, referindo que a plataforma ainda tem de provar que é uma ajuda importante aos bancos que nela participam.

Ainda no crédito, o relatório elogia as medidas macroprudenciais decididas pelo Banco de Portugal em 2018, considerando que contribuíram para tomar o crédito mais prudente, ainda que os riscos relacionados com os preços das casas tenham de continuar a ser acompanhados. Quanto à rentabilidade dos bancos, refere a CE que melhorou sobretudo devido à queda das provisões e imparidades, apesar da deterioração das receitas.

As baixas taxas de juro são agora o grande desafio à rentabilidade, mas recorda Bruxelas que essas mesmas baixas taxas de juro são dos principais fatores por detrás da melhoria das condições macroeconómicas, o que ajuda aos lucros dos bancos através da queda das imparidades e provisões. Sobre rácios de capital, apesar de os bancos portugueses os terem acima do regulamentado, o relatório considera que ainda estão fracos face à média dos pares europeus, além de que se fossem mais fortes “tornariam os bancos mais resilientes a um enfraquecimento da economia”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Faltam resultados à plataforma de crédito malparado, alerta Bruxelas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião