Não há manifestamente condições para acordo em breve sobre orçamento da UE, diz António Costa

  • Lusa
  • 18 Outubro 2019

António Costa considera que “neste momento” não há condições para ser alcançado no curto prazo um acordo sobre o orçamento da UE para 2021-2027, dadas as divergências dos Estados-membros.

O primeiro-ministro indigitado, António Costa, considerou esta sexta-feira em Bruxelas que, “neste momento, manifestamente não há condições” para ser alcançado no curto prazo um acordo sobre o orçamento da União Europeia para 2021-2027, dadas as “profundas divergências” entre os Estados-membros.

No final do Conselho Europeu realizado em Bruxelas entre quinta-feira e sexta-feira, António Costa comentou que, “depois de um primeiro dia com boas notícia, com o acordo sobre o Brexit”, teve lugar “uma segunda fase do Conselho sem boas notícias e sem conclusões sobre qualquer das matérias em debate”, uma das quais a discussão sobre o futuro quadro financeiro plurianual da União pós-2020, que, comentou, teve apenas o mérito de deixar evidentes as diferenças entre os 27.

“No quadro da discussão sobre o quadro financeiro plurianual da UE, houve uma troca de pontos de vista que teve a vantagem de ser muito franca, muito aberta e muito clara entre todos, e onde ficou bastante evidente as profundas divergências que ainda existem em matéria do futuro quadro financeiro plurianual”, disse.

Admitindo que há o risco de o calendário previsto para a adoção do futuro orçamento da UE atrasar-se e repetir-se a “descontinuidade” verificada há sete anos, ameaçando a execução atempada dos programas e fundos comunitários, o primeiro-ministro sublinhou, todavia, que também seria negativo “fazer rapidamente um mau acordo”.

Há esse risco, mas é sempre preciso ponderar entre a vantagem de fazer rapidamente um mau acordo ou investir mais algum tempo para obter um acordo melhor. Eu acho que, neste momento, manifestamente não há condições para fazer qualquer tipo de acordo no curto prazo”, disse.

António Costa insistiu que “há uma parte” da proposta colocada sobre a mesa pela presidência finlandesa do Conselho, “aliás, a parte mais importante, que é absolutamente inaceitável”, designadamente o recuo proposto para as contribuições nacionais (dos Estados-membros para o ‘bolo’ global) relativamente à proposta inicial da Comissão, que já desagradava ao Governo, por considerar que é insuficiente para satisfazer todas as novas prioridades da UE, sem sacrificar áreas com provas dadas, como a Política Agrícola Comum e a Política de Coesão.

Recordando que a proposta original da Comissão prevê contribuições dos Estados-membros de 1,11% do Rendimento Nacional Bruto (RNB) para o orçamento global 2021-2027, o que “já era insuficiente”, e que o Parlamento Europeu propõe antes um montante global (de 1.324,1 mil milhões de euros a preços de 2018) equivalente a 1,3%, o primeiro-ministro defendeu que “a base de trabalho mínima deve ser pelo menos aquilo que é a atual contribuição no atual quadro” financeiro 2014-2020, que é de 1,16% (fazendo cálculos já a uma UE a 27, sem o Reino Unido).

Considerando por isso que a solução deve passar por um equilíbrio entre as propostas da Comissão e do Parlamento, Costa insurgiu-se então contra a proposta dos finlandeses, “entre os 1,03 e os 1,08%” do RNB, e apontou que “a larga maioria dos membros do Conselho são favoráveis a uma posição que se aproxima da do Parlamento Europeu, e que rejeita em absoluto a proposta finlandesa”.

“O problema é que tem de ser aprovado por unanimidade”, acrescentou.

Na conferência de imprensa final do Conselho, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, sublinhou a urgência de se chegar a um acordo, mas observou que nesta cimeira houve “muito pouco de novo”

“Lembrei ao Conselho que têm a obrigação de concluir rapidamente este debate. Se esperarmos pelo final do próximo ano, perderemos outros anos durante os quais os investigadores não poderão investigar, os jovens não poderão participar no programa Erasmus, que é uma das mais belas histórias de sucesso da UE”, declarou

(Notícia atualizada às 16h02)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Não há manifestamente condições para acordo em breve sobre orçamento da UE, diz António Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião