Cruz Vilaça Advogados inaugura escritório em Lisboa

A Cruz Vilaça Advogados é a nova sociedade de advogados a operar no País. A firma centra a sua atividade na área de direito da União Europeia, direito da concorrência e direitos fundamentais.

A sociedade Cruz Vilaça Advogados inaugurou o seu escritório em Lisboa. A firma, localizada na Avenida Duque de Ávila, foca a sua atividade na área de direito da União Europeia, direito da concorrência e direitos fundamentais.

Relativamente ao principal objetivo, a Cruz Vilaça Advogados “assume o compromisso de procurar soluções inovadoras e ajustadas aos desafios inerentes às suas áreas de especialização, em especial, os representados pela atual fase de transição da Europa e do mundo moderno (digital, energia e ambiente, brexit)”, nota a sociedade.

Para alcançar esse objetivo, a sociedade reuniu uma equipa com experiência internacional, entre os quais as advogadas Carla Farinhas e Mariana Martins Pereira e os consultores José Guilherme Xavier de Basto, José Carlos Vieira de Andrade, Francisco Costa-Cabral e Franziska Zibold.

Por sua vez, Paulo de Almeida Sande, advogado e antigo administrador e diretor do gabinete em Portugal do Parlamento Europeu, assume a posição de consultor estratégico da sociedade.

“Este projeto é especial. Foi pensado ainda no Luxemburgo e surge numa altura em que eu poderia estar a acabar e não a começar novos projetos, mas entendemos que seria pouco racional desperdiçar a experiência riquíssima dos últimos seis anos no Tribunal de Justiça da União Europeia”, referiu José Luís Cruz Vilaça, sócio administrador.

O sócio reconhece ainda que em Portugal “existem grandes escritórios de advogados” e adianta que a Cruz Vilaça Advogados quer afirmar-se como uma “boutique especializada” que pratica uma “advocacia diferente”, com “capacidade de se adaptar às solicitações do mercado”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cruz Vilaça Advogados inaugura escritório em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião