IBM instala Centro de Inovação Tecnológica no Fundão. Quer contratar 30 colaboradores

  • Lusa
  • 16 Dezembro 2019

A IBM está a instalar um Centro de Inovação Tecnológica no Fundão, cuja atividade será centrada no desenvolvimento e gestão de soluções de energia. Pretende contratar 30 colaboradores.

A IBM está a instalar um Centro de Inovação Tecnológica no Fundão, cuja atividade será centrada no desenvolvimento e gestão de soluções de energia e que criará pelo menos 30 postos de trabalho no primeiro ano, foi anunciado esta segunda-feira.

“O que nós programámos, numa primeira fase, é o desenvolvimento de soluções e de serviços no domínio energético e da eficiência energética, que é claramente a aposta principal”, afirmou o presidente da IBM Portugal, António Raposo Lima, na cerimónia de assinatura do protocolo de parceria com a Câmara do Fundão.

Este responsável explicou que o centro será gerido pela Softinsa (empresa do grupo IBM) e que iniciou atividade antes mesmo do que estava planeado para dar resposta às necessidades.

António Raposo Lima adiantou que a empresa já está a proceder ao recrutamento de jovens qualificados da área das novas tecnologias de informação e que este laboratório de competências prestará serviços para “Portugal e para o mundo”.

“Esta rede de centros que nós desenvolvemos, e que queremos ver crescer, presta serviços para os clientes que nós temos e que não estão circunscritos a Portugal. (…) Cerca de metade da atividade que nós desenvolvemos nestes centros já é uma atividade de exportação, fundamentalmente na Europa, nos Estados Unidos da América e também na Ásia”, indicou.

Sobre a escolha do Fundão, António Raposo Lima apontou a aposta que esta cidade do distrito de Castelo Branco tem feito ao nível da atração e captação de empresas do setor das tecnologias de informação, bem como a “ambição” da autarquia em afirmar este território como um “’hub’ tecnológico para o mundo global”.

“Esta ambição, esta vontade, este empenho e este compromisso que sentimos da parte do senhor presidente [da câmara] e da sua equipa, foi isso que efetivamente motivou que o Fundão seja claramente uma aposta da IBM e da Softinsa”, disse.

Entre os fatores, pesou igualmente o facto de estar criada uma rede com as instituições de ensino superior, nomeadamente a Universidade da Beira Interior, o Instituto Politécnico de Castelo Branco e Instituto Politécnico da Guarda, a existência de acessibilidades ao nível do mundo digital e a facilidade para interagir com os outros dois centros descentralizados do grupo, que estão em Tomar e Viseu.

“Viemos encontrar no Fundão um conjunto de talentos e de recursos humanos muito adequado àquilo que são as necessidades da nossa operação”, acrescentou.

Esta é também “a oportunidade de o Fundão voar ainda mais alto”, apontou o presidente da IBM Portugal, depois de citar o princípio que tem sido seguido pelo município ao nível do plano de educação educacional e que passa por “criar raízes e dar asas” aos mais novos.

Um contributo que foi reconhecido pelo presidente da Câmara do Fundão, Paulo Fernandes, que sublinhou a importância que este centro tem para consolidar e desenvolver o “ecossistema” tecnológico do concelho e também para “motivar” os mais novos.

Para Paulo Fernandes, a opção de fixar este laboratório no concelho é também um importante contributo para afirmar os territórios de baixa densidade e ajudar a acabar com o estigma do interior.

“Seguramente, decisões como esta são, talvez, o que de melhor se pode fazer para acabar com esse estigma e colocarmos todo o território nacional a criar valor”, afirmou.

Para já o centro fica instalado no edifício do Mercado Abastecedor, na zona industrial, mas o autarca garantiu ainda que o município já está a trabalhar com vista a transferir a estrutura para o coração da cidade.

Também assumiu a expectativa de que o centro possa crescer e reiterou que a Câmara do Fundão já está a criar soluções para acompanhar necessidades que possam surgir.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

IBM instala Centro de Inovação Tecnológica no Fundão. Quer contratar 30 colaboradores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião