Empresa britânica compra 30% do capital da startup portuguesa Monttra

A Monttra, app que quer revolucionar a contrafração, tem um novo investidor, a britânica Visionaria que adquiriu 30% do capital da empresa. Pretendem alcançar 20 a 30 mil novos utilizadores até março.

A Monttra, startup portuguesa que desenvolveu uma nova tecnologia capaz de detetar se determinado produto é genuíno ou não, tem um novo investidor, a empresa britânica Visionaria, que adquiriu 30% do capital da empresa. A startup nortenha quer revolucionar o controlo das contrafações a partir de Vila Nova de Famalicão e impossibilitar a entrada de produtos de marca falsificados no mercado.

“Esta sinergia vai dar-nos visibilidade a nível mundial“, refere Fernando Veloso, fundador da startup, que explica que antes da Visionaria adquirir quase um terço do negócio “a aplicação da Monttra tinha apenas 200 utilizadores”. Fernando Veloso está confiante que até março do próximo ano irá conseguir angariar 20 a 30 mil novos utilizadores. “Sem a ajuda da empresa britânica iria demorar muito mais tempo a alcançar esse número”, nota o fundador.

A aplicação que tem como objetivo lutar contra a contrafação pode ser descarregada gratuitamente no Google Play ou na App Store. O fundador explica a diferença da aplicação em relação a produtos concorrentes. “Fazemos a diferença porque asseguramos a monitorização do processo de transmissão da propriedade, destaca. O sistema “permite aos produtores e às marcas conhecer em tempo real o percurso de cada item produzido até ao cliente final, contribuindo para o consumo responsável e em segurança e um controlo interno eficaz”.

De acordo com o Instituto da Propriedade Intelectual da União Europeia (EUIPO), “em Portugal, as perdas de vendas no setor do vestuário, calçado e acessórios devido à contrafação rondarão os 635 milhões de euros por ano, ou seja, cerca de 14% das vendas”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresa britânica compra 30% do capital da startup portuguesa Monttra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião