Negócio entre EDP e consórcio liderado pela Engie assessorado pela Morais Leitão e Cuatrecasas

A venda das seis barragens pela EDP ao consórcio liderado pela empresa francesa Engie foi assessorada pelas sociedades de advogados Morais Leitão e Cuatrecasas, respetivamente.

As sociedades de advogados Cuatrecasas e Morais Leitão assessoraram o consórcio liderado pela empresa francesa Engie e a EDP, respetivamente, na compra e venda de seis barragens no Douro por 2,2 mil milhões. O negócio foi anunciado esta quinta-feira, após meses de conversações com vários candidatos internacionais.

A Cuatrecasas representou o consórcio francês de investidores formado pela Engie, pela seguradora Predica, do grupo Crédit Agricole Assurances, e pelo fundo Mirova, do grupo Natixis.

A assessoria jurídica ao consórcio, a partir de Portugal, foi da responsabilidade da Cuatrecasas, tendo sido o sócio Francisco Santos Costa a assegurar a coordenação na Cuatrecasas. A equipa contou ainda com a participação de mais de vinte advogados das áreas de societário e M&A, público e regulatório, direito europeu e da concorrência, bancário, financeiro e mercado de capitais, fiscal, laboral e contencioso.

A partir de França, o consórcio francês foi ainda assessorado por três outros escritórios de advogados franceses: o Bredin Prat, o BDGS e o CLP-Cliperton.

A Engie é um dos principais players internacionais no setor da energia, focada em três áreas-base: eletricidade, gás e serviços energéticos. A Predica integra o grupo Crédit Agricole Assurances é a segunda maior seguradora vida francesa, com 249 mil milhões de euros em ativos sob gestão em apólices de seguros. O Mirova, detido pela Natixis Investment Managers, é um fundo de investimento com sede em França e que tem 14,9 mil milhões de dólares em ativos sob gestão.

Por outro lado, a Morais Leitão assessorou juridicamente a EDP, através da sua equipa de M&A e energia liderada pelo sócio Ricardo Andrade Amaro.

A equipa incluiu ainda a advogada sénior Diana Ribeiro Duarte, o associado Helder M. Mourato e a associada Joana Alves de Abreu, sendo ainda de destacar a participação do sócio Miguel Nogueira de Brito, da advogada sénior Ana Robin de Andrade e da consultora Diana Ettner na vertente de direito público e do advogado sénior Pedro Gouveia e Melo no aconselhamento em matéria de direito europeu e da concorrência.

Já no caso da assessoria financeira, o J.P. Morgan prestou consultoria à Engie, enquanto o banco francês BNP Paribas atuou em exclusivo como financial advisor do Crédit Agricole.

Prevê-se que a transação esteja concluída no segundo semestre de 2020, estando ainda pendente das aprovações societárias e regulatórias aplicáveis.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Negócio entre EDP e consórcio liderado pela Engie assessorado pela Morais Leitão e Cuatrecasas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião