OE 2020: Presidente desaconselha “solução de recurso” tipo orçamento limiano

  • Lusa
  • 22 Dezembro 2019

O Presidente da República afirmou preferir que o Orçamento do Estado de 2020, do Governo PS, seja aprovado pela esquerda, em vez de uma “solução de recurso” de negociação “aqui e acolá”.

O Presidente da República afirmou este domingo preferir que o Orçamento do Estado (OE) de 2020, do Governo PS, seja aprovado pela esquerda, em vez de uma “solução de recurso” de negociação “aqui e acolá”, do tipo orçamento limiano.

Começar uma legislatura com uma hipótese de recurso é começar uma legislatura de uma forma fraca”, afirmou à Lusa Marcelo Rebelo de Sousa, à margem de uma visita, este domingo, às tropas portuguesas numa missão da NATO em Cabul, Afeganistão, referindo-se implicitamente a uma eventual aprovação do orçamento com os votos dos deputados do PSD/Madeira, PAN e Livre.

Para o Presidente, “o que é natural é que sejam as forças que têm maioria numérica no parlamento e que estiveram na base do apoio do Governo anterior” a viabilizar o próximo Orçamento do Estado, que tem prevista a primeira votação, na generalidade, em janeiro e a final global em fevereiro.

Uma solução de viabilização do Orçamento com PS e partidos de esquerda, que estiveram na base da estabilidade do anterior Governo socialista (2015-2019) seria, afirmou, “mais estável, no começo de legislatura, do que uma solução negociada aqui e acolá”.

“Isso daria, no início de legislatura, uma maior força” do que “uma solução negociada aqui e acolá”, reforçou. Cenários desse tipo são mais próprios de um final de mandato. Marcelo deu o exemplo de quando era “líder da oposição”, como presidente do PSD, e viabilizou três orçamentos ao executivo socialista, sendo um quarto aprovado com uma “solução de emergência”, ou seja, o deputado do CDS Daniel Campelo, em 2001.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OE 2020: Presidente desaconselha “solução de recurso” tipo orçamento limiano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião