Hovione inaugura centro em Loures e cria 400 postos de trabalho

A farmacêutica investiu 23 milhões nas novas instalações e laboratórios, em Loures, para reforçar a capacidade de I&D e de produção. O investimento vai permitir contratar mais 400 profissionais.

A farmacêutica Hovione investiu 23 milhões nas novas instalações e laboratórios, em Loures, para reforçar a capacidade de investigação e desenvolvimento, e também de produção. O investimento vai permitir à empresa contratar 400 profissionais, dos quais 230 investigadores das áreas da química, ciências farmacêuticas, biotecnologia e engenharias, com destaque para a engenharia química.

A nova unidade fabril e de laboratórios “vem melhorar as condições de trabalho na empresa, facilitando as sinergias e os ganhos de produtividade com a oferta de equipamentos comuns, nomeadamente novos laboratórios equipados com tecnologias de topo. O edifício oferece também melhores condições de conforto e funcionalidade com salas de reuniões equipadas, bem como novas áreas de estacionamento, balneários, cantina e cafetaria”, informa a empresa em comunicado.

Nos escritórios do edifício estão também instaladas as áreas de recursos humanos, garantia da qualidade, controlo de qualidade, order processing e logística, eficiência operacional, financeira, gestão de projetos e segurança e ambiente. Na apresentação do novo edifício estiveram também presentes o CEO da Hovione, Guy Villax, o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, o secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, João Sobrinho Teixeira, a secretária de Estado Adjunta e da Saúde, Jamila Madeira, e o presidente da câmara municipal de Loures, Bernardino Soares.

O primeiro-ministro, António Costa, inaugurou esta quarta-feira a nova unidade da farmacêutica Hovione — edifício B14 — em Loures.

O edifício B14 também é mais sustentável, construído para a obtenção de certificação LEED (liderança em energia e design ambiental). Em abril do ano passado, a Hovione foi distinguida como uma das empresas mais atrativas para trabalhar em Portugal, pela Randstad Employer Brand Award.

A Hovione foi fundada em 1959 e tem fábricas na Irlanda, nos Estados Unidos e Macau. Emprega atualmente 1.600 pessoas, das quais 1.100 em Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hovione inaugura centro em Loures e cria 400 postos de trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião