Conselho consultivo defende que alargamento da ADSE a contratos individuais é “urgente”

O Conselho Geral e de Supervisão da ADSE vê como "urgente" o alargamento do subsistema aos contratos individuais de trabalho, bem como a criação de um período extraordinário de inscrição.

O conselho geral e de supervisão (CGS) da ADSE defende que é “urgente” o alargamento do subsistema de saúde aos contratos individuais de trabalho. Para além disso, o conselho consultivo também alerta para outras questões como a necessidade de definir um período extraordinário de inscrição como beneficiários ou de rever o modelo das isenções.

São urgentes algumas mudanças, pontuais que desejavelmente contemplem medidas necessárias ao bom funcionamento da ADSE e à sua sustentabilidade futura”, reitera o CGS, num parecer sobre uma proposta de alteração do diploma geral que regula a ADSE, apresentada pelo conselho diretivo.

A proposta “já tinha sido enviada pelo conselho diretivo ao Governo em 04/12/2019, no quadro da Proposta de Lei do Orçamento de Estado para 2020, sem parecer do CGS, que só nesta altura tomou conhecimento da iniciativa“, sinaliza o conselho presidido por João Proença.

Para o CGS, a proposta “tem algumas medidas urgentes, introduz a questão dos isentos e ignora propostas importantes já apresentadas ao Governo pelo conselho diretivo, no seguimento de propostas apresentadas pelo CGS”.

O alargamento da ADSE aos contratos individuais de trabalho é uma das medidas em falta para o CGS, que recebeu já o apoio da ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, que ficou nesta legislatura com a tutela do subsistema. Alexandra Leitão disse, em entrevista ao ECO, que “um alargamento controlado pode ser uma solução” para a ADSE.

Para além disso, defendem também a necessidade de instaurar um período extraordinário de inscrição como beneficiários, nomeadamente para os precários na Administração Pública, já que “muitos perderam o direito de inscrição na ADSE, por terem passado mais de seis meses num ou mais contratos precários”, situação também já referida pela ministra.

Isenções devem manter-se

O conselho diretivo propõe que os beneficiários isentos, que são os aposentados que recebem pensões inferiores à remuneração mensal mínima garantida (RMMG), passem a pagar a contribuição de 3,5%. O CGS, por sua vez, considera que a situação de isenção de desconto se deve manter, mas que deveria ser para pelo Orçamento do Estado.

“Esta é uma medida clara de solidariedade pelo que, analogamente ao que acontece com o Regime não Contributivo da Segurança Social, o seu custo deve ser suportado pelo Orçamento do Estado, num custo atual estimado em menos de 13 milhões de euros“, referia o CGS num parecer de 2018.

Tendo em conta as nuances desta questão, o conselho presidido por João Proença considera que “as medidas a tomar devem merecer tratamento autónomo e um diálogo que envolva também o CGS”. Por isso, o CGS “manifesta-se contra a proposta do conselho diretivo relativo aos trabalhadores isentos, devendo a situação ser objeto de análise”. Os beneficiários abrangidos por esta isenção serão mais de 60.000 em 2020, nota o CGS, a que acrescem familiares.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Conselho consultivo defende que alargamento da ADSE a contratos individuais é “urgente”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião