Acionistas da Prisa aprovam venda da TVI à Cofina

Os acionistas da espanhola Prisa aprovaram a venda da Media Capital, dona da TVI, à Cofina, detentora dos títulos Correio da Manhã, Sábado e Jornal de Negócios. Operação está avaliada em 205 milhões.

Os acionistas da espanhola Prisa aprovaram esta quarta-feira, em assembleia geral extraordinária, a venda da Media Capital, dona da TVI, ao grupo Cofina, detentor dos títulos Correio da Manhã, Sábado e Jornal de Negócios. A operação está avaliada em 205 milhões de euros.

A informação consta de um comunicado enviado esta manhã ao regulador do mercado espanhol.

A Cofina vai pagar cerca de 125 milhões de euros pela Media Capital e assumir uma dívida na ordem dos 80 milhões de euros, avaliando assim a empresa de media em 205 milhões de euros — abaixo do valor inicialmente previsto (255 milhões de euros), em resultado da deterioração das audiências da TVI no ano passado.

É expectável que a operação venha a ficar concluída ainda no primeiro trimestre do ano, dado que já tem o aval dos reguladores em Portugal. No caso da Autoridade da Concorrência, a “luz verde” ao negócio veio já nos últimos dias do ano passado, isto apesar de operadores de media em Portugal, como a Sic, terem alertado para o facto de a operação poder restringir a concorrência no setor dos media.

No mesmo dia em que os acionistas do grupo espanhol deliberaram sobre a venda, em Madrid, também a Cofina reúne os seus acionistas no Porto para aprovarem um aumento de capital na ordem dos 85 milhões de euros para financiar a aquisição da TVI. Este aumento de capital deverá envolver o empresário Mário Ferreira e o banco espanhol Abanca. Além destes, a Cofina deverá ter financiamento do Santander e da Société Générale na compra da TVI.

A Media Capital fechou os primeiros nove meses com resultados positivos, mas os lucros apresentaram uma quebra de 90%. Com os prejuízos de quase cinco milhões no terceiro trimestre, o resultado afundou para 1,2 milhões.

(Notícia atualizada às 11h03)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Acionistas da Prisa aprovam venda da TVI à Cofina

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião