5 coisas que vão marcar o dia

Os parceiros sociais voltam a sentar-se à mesa com o Governo para negociar o acordo sobre competitividade e rendimentos. IGCP leva a cabo um leilão de Obrigações do Tesouro.

Esta quarta-feira é dia de discutir o acordo de rendimentos na Concertação Social e do IGCP levar a cabo um duplo leilão de dívida de longo prazo. O Luanda Leaks é debatido no Parlamento Europeu e o secretário de Estado da Energia dos Estados Unidos visita o Porto de Sines. Ana Mendes Godinho “presta contas”.

Acordo de rendimentos volta a ser discutido

A ministra do Trabalho e o ministro da Economia rumam, esta quarta-feira, à Concertação Social para mais uma reunião com os parceiros sociais relativo ao acordo sobre competitividade e rendimentos. Este será o quarto encontro dos parceiros sociais com o Governo para negociar esta matéria. Na última reunião, o Executivo apresentou um documento em que enumerava os 11 pontos que gostaria de ver incluídos no entendimento em causa, da fiscalidade às migrações, passando pelas qualificações até à metodologia para fixar referenciais por setor para guiar a evolução dos salários.

Luanda Leaks no Parlamento Europeu

O Parlamento Europeu discute, esta quarta-feira, o polémico caso Luanda Leaks. Em causa está uma investigação jornalística que indicou que Isabel dos Santos terá desviado mais de 100 milhões de dólares de fundos públicos da Sonangol para uma offshore no Dubai. Como é tradição, o debate começará com declarações iniciais do Conselho Europeu e da Comissão Europeia. Será a primeira vez que estes órgãos comunitários se pronunciam sobre o Luanda Leaks. Isabel dos Santos foi constituída arguida pelo Ministério Público de Angola, mas já veio negar as acusações, dizendo-se vítima de um ataque político.

Leilão de Obrigações do Tesouro

A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) realiza, esta quarta-feira, um duplo leilão de dívida de longo prazo. Quer até 1.250 milhões em Obrigações do Tesouro (OT) com maturidade em 2026 e 2034. Esta é a primeira vez, em 2020, que o Tesouro vai ao mercado com um leilão dívida de longo prazo. Em janeiro, o IGCP angariou quatro mil milhões de euros em obrigações do Tesouro a dez anos, mas através de uma operação que contou com o apoio de um sindicato bancário.

Secretário da Energia dos EUA visita Sines

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Dan Brouillette, visita esta quarta-feira o Porto de Sines, acompanhado do ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, e do secretário de Estado Adjunto e das Comunicações, Alberto Souto. A visita compreenderá os terminais de gás natural liquefeito e de contentores. Isto num momento em que decorre o concurso público para a construção de um novo terminal em Sines, que tem atraído o interesses de companhias chinesas. O Executivo está, contudo, a convidar empresas europeias e norte-americanas a apresentarem a suas propostas. “A qualidade das ofertas será muito melhor” se empresas norte-americanas e europeias também entrarem na corrida por Sines, afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, em declarações ao Financial Times.

Ana Mendes Godinho explica Orçamento da Segurança Social

A ministra do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social, Ana Mendes Godinho, apresenta esta quarta-feira as linhas gerais do Orçamento da Segurança Social para 2020. Isto no âmbito da iniciativa “Governo Presta Contas”, que contará também com a presença do secretário-geral adjunto do PS, José Luís Carneiro. Nesta iniciativa, também já participou a ministra da Saúde, Marta Temido, o ministro do Estado e das Finanças, Mário Centeno, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, o ministro do Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva e o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos. O Orçamento do Estado para 2020 foi aprovado a 6 de fevereiro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião