Ações europeias em máximos históricos. Lisboa também sobe

Apesar dos receios com o coronavírus, as ações europeias estão em máximos. A bolsa de Lisboa também está em alta à boleia da EDP.

Apesar dos receios com o surto do coronavírus, as ações europeias despertaram na última sessão da semana em recorde. Por cá, a bolsa de Lisboa também segue animada, à boleia do grupo EDP.

O PSI-20, o principal índice português, soma 0,10% para 5.337,00 pontos, com nove cotadas em terreno positivo. No grupo EDP, a elétrica liderada por António Mexia avança 0,41% para 4,669 euros, enquanto a subsidiária das renováveis ganha 0,32% para 12,41 euros. Estas valorizações acontecem um dia depois de um responsável da Administração de Donald Trump ter reafirmado receios com a presença dos chineses no capital da empresa portuguesa.

Ainda entre os pesos pesados nacionais, destaque para as ações do BCP e Galp, que apresentam subidas ligeiras.

Por outro lado, sob pressão continuam as ações da papeleira Navigator, que esta semana apresentou uma quebra dos lucros em 25%, que provocará uma descida do dividendo. Os títulos estão a recuar para os 3,226 euros.

Lá por fora, mantendo-se as preocupações com o impacto do coronavírus, que já fez quase 1.400 vítimas mortais na China — o epicentro do problema –, as ações europeias estão em máximos históricos, com o índice de referência Stoxx 600 a subir 0,04% para nível recorde.

Também as bolsas de Frankfurt e de Paris estão a subir 0,1%. As atenções estão viradas para a temporada de resultados. No setor automóvel, a francesa Renault apresentou o primeiro prejuízo trimestral numa década, e já anunciou que vai reduzir o dividendo a distribuir em 2020. Já o Royal Bank of Scotland registou lucros acima do esperado pelo mercado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ações europeias em máximos históricos. Lisboa também sobe

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião