Trambolhão de 7% da Nos castiga Lisboa. Jerónimo Martins brilha

Lisboa seguiu a tendência negativa das restantes praças europeias num dia marcado pela forte queda das ações da operadora liderada por Miguel Almeida. A Nos afundou mais de 7%.

A Nos deu um trambolhão em bolsa. As ações da operadora liderada por Miguel Almeida afundaram mais de 7% depois dos resultados, com os investidores descontentes com o corte do dividendo. Esta queda expressiva pesou na bolsa nacional, que acabou por seguir a tendência das restantes praças da Europa, isto num dia em que a Jerónimo Martins brilhou.

A telecom liderada por Miguel Almeida aumentou os lucros, mas as receitas cresceram muito ligeiramente em resultado da fraca adesão aos canais desportivos premium. Perante estes resultados, e também na perspetiva dos investimentos necessários no 5G, a Nos decidiu cortar os dividendos, o que levou os títulos a afundarem 7,14% para 4,138 euros. Ainda assim, vai dar todos os lucros (143,5 milhões) aos acionistas. Serão 27,8 cêntimos de euro por ação.

Nos afunda em bolsa

Esta forte queda, num dia negativo também para empresas como a Mota-Engil (-2,72%) e os CTT (-2,16%), pesou na bolsa nacional, que encerrou com uma queda de 0,45% para 5.387 pontos. Na Europa, o Stoxx 600 também recuou, cedendo 0,58%, assim como a generalidade dos principais índices do Velho Continente.

A pesar na bolsa estiveram também a Galp Energia, que caiu 1,72% para 14,295 euros, e o BCP. As ações do banco liderado por Miguel Maya recuaram 0,42% para 18,99 cêntimos, apesar de o banco ter apresentado os melhores resultados dos últimos 12 anos.

 

EDP e EDP Renováveis, também a reagirem às contas apresentadas no dia anterior, atenuaram a queda da bolsa, registando ganhos de 0,08% e 1,08%, respetivamente, mas o destaque da sessão foi para a Jerónimo Martins.

A empresa liderada por Pedro Soares dos Santos ganhou 1,9% para os 17,19 euros depois de anunciar um aumento dos lucros para 433 milhões de euros, com metade destes a ser distribuído pelos acionistas — outra parte vai para prémios para os funcionários. Os investidores aplaudiram as contas mas também a expansão do negócio para o leste da Europa.

(Notícia atualizada às 17h01 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trambolhão de 7% da Nos castiga Lisboa. Jerónimo Martins brilha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião