Duas consultoras e um enólogo põem líderes à prova

O programa executivo "Líderes à Prova" quer ajudar a encontrar as respostas para os desafios da liderança através da autenticidade. Para isso, vão contar com a ajuda de um enólogo.

Responder aos desafios da liderança, tornando os líderes mais autênticos, confiantes nas suas forças e não nas suas fraquezas. Foi com esta convicção que Dalila Pinto de Almeida, consultora na área de gestão de talento na DPA Consultoria e Teresa Correia de Lacerda, consultora de liderança na DCH, criaram o programa executivo “Líderes à Prova”. O curso está dividido em cinco módulos e foi pensado para líderes e futuros líderes, em particular de pequenas e médias empresas, para ajudá-los a reforçar a autenticidade na forma de liderar. No final de cada sessão, os participantes terão uma prova de vinhos pelo enólogo Virgílio Loureiro. O curso está limitado a 16 participantes e a primeira sessão arranca a 18 de março no Sintra no Arribas Hotel, em Sintra.

O curso custa 155 euros, inclui um manual de liderança e um certificado de participação. As inscrições já estão abertas e podem ser submetidas no site oficial da consultora DCH.

Como navegar em ambientes de complexidade e mudança acelerada? Como alinhar as equipas com a estratégia da empresa? Como desenvolver e motivar os colaboradores e contribuir para o sucesso da empresa de forma sustentável? São algumas das questões que serão exploradas durante o curso, que continua a 27 de março, 15 e 22 de abril e a 13 e 20 de maio, no mesmo local em Sintra e no Espaço Restelo, em Lisboa. O enólogo Virgílio Loureiro vai testar os sentidos dos participantes com uma prova de vinhos e descobrir de que forma se pode transformar numa ferramenta de liderança. O especialista vai desafiar os participantes a conhecer de que forma se pode integrar o vinho no ambiente de negócios, como por exemplo, escolher um vinho num almoço de negócios, explica Dalila.

“A liderança hoje é o tema nas empresas e no mundo. A forma como o mundo está a mudar implica modelos de liderança que precisam de ser consolidados e um desses modelos tem justamente a ver com a autenticidade na liderança, com as pessoas poderem não se afligir com as suas vulnerabilidades”, destaca Dalila Pinto de Almeida.

Por cada inscrição, a organização vai doar 10 euros a uma instituição de solidariedade social do concelho de Lisboa, escolhida pelos participantes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Duas consultoras e um enólogo põem líderes à prova

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião