Gómez-Acebo & Pombo reforça área de fiscal com integração de novo sócio

Nuno de Oliveira Garcia é o novo reforço da equipa de sócios da Gómez-Acebo & Pombo e vai assumir a gestão da área de prática de direito fiscal. O advogado transita da Andersen Tax & Legal.

A sociedade de advogados Gómez-Acebo & Pombo integrou Nuno de Oliveira Garcia como novo sócio no escritório de Lisboa, onde vai assumir a gestão da área de prática de direito fiscal. O advogado transita com a sua equipa da Andersen Tax & Legal.

“É com enorme entusiasmo que acolhemos o Nuno e a sua equipa no escritório de Lisboa. Pelo seu brilhante currículo académico e profissional, não temos a menor dúvida que a sua integração será uma grande mais-valia para nós”, nota Mafalda Barreto, managing partner da Gómez-Acebo & Pombo em Portugal.

Para a advogada a área de fiscal tem tido um “crescimento muito significativo” em Portugal. “Nesse sentido, estamos muito satisfeitos por poder oferecer aos nossos clientes, a partir de agora, novas competências e uma maior capacidade de resposta”, acrescenta.

“A integração numa sociedade com as características, dimensão e prestígio ibérico, da Gómez-Acebo & Pombo, é um desafio profissional muito estimulante, que abraçamos com grande satisfação”, assegura Nuno de Oliveira Garcia. O novo sócio da firma garante que a fiscalidade está cada vez mais no “cerne da tomada de decisões de empresas e particulares”. “Nesse sentido, esperamos poder contribuir para a consolidação da Gómez-Acebo & Pombo como um parceiro incontornável de excelência, em Portugal tal como já sucede em Espanha, neste setor específico“, explica.

Nuno de Oliveira Garcia é especialista em direito fiscal, direito fiscal internacional e contencioso tributário, assume ainda funções enquanto árbitro tributário no Centro de Arbitragem Administrativa desde a sua criação, e é assistente convidado na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa desde 2008.

Com a integração de Nuno de Oliveira Garcia, a Gómez-Acebo & Pombo passa a contar com sete sócios, em Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gómez-Acebo & Pombo reforça área de fiscal com integração de novo sócio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião