Recuperação não durou e Wall Street volta ao vermelho. Afunda mais de 2,5%

Após uma sessão de recuperação, o surto de coronavírus voltou a pesar sobre o sentimento nas principais bolsas norte-americanas.

Wall Street afunda mais de 2,5% com o surto de coronavírus a pesar no sentimento dos investidores. O ceticismo do Presidente Donald Trump em relação a um potencial plano de combate ao impacto económico da doença acabou com a curta recuperação, que durou apenas um dia nas principais bolsas norte-americanas.

O índice industrial Dow Jones tomba 3% para 24.337,15 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 perde 2,6% para 2.808,00 pontos e o tecnológico Nasdaq perde 2,5% para 8.141,07 pontos. As fortes perdas acontecem depois de Wall Street ter liderado a recuperação das bolsas globais, na terça-feira, com um disparo de 5%.

Num dia de ganhos mornos para as praças europeias, Trump defraudou as expectativas dos investidores dos EUA. Após ter reunido com os Republicanos no Senado e ter discutido cortes de impostos, o Presidente não anunciou medidas concretas, elevando os receios sobre uma eventual recessão.

A rápida disseminação do vírus a nível global levou bancos centrais e governos a adotarem uma série de medidas de contenção do impacto. Ainda esta quarta-feira, o Banco de Inglaterra anunciou um corte de juros surpresa para estimular a economia, em linha com o que a Reserva Federal norte-americana fez na semana passada. Os analistas antecipam que o banco central dos EUA, liderado por Jerome Powell, anuncie um novo corte ainda este mês.

Enquanto Trump não anuncia medidas, há empresas a mostrarem sinais de fraqueza. É o caso da Adidas, que desvaloriza 7,7%, e da Puma, que perde 2,6%. Ambas sinalizaram quedas nas vendas na China e arrastam a concorrente Nike, que cai 5%.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Recuperação não durou e Wall Street volta ao vermelho. Afunda mais de 2,5%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião