Wall Street disparou 5%, em dia de recuperação nos mercados

Depois de uma segunda-feira negra para os mercados acionistas, provocada pela queda abrupta dos preços do petróleo, as bolsas recuperaram e Wall Street não foi exceção.

Depois de uma segunda-feira negra, em que os mercados chegaram mesmo a entrar em bear market, as bolsas recuperaram das quedas acentuadas e encerraram no verde. Em Wall Street, depois de os índices terem tocados mínimos de dez anos, os principais índices também inverteram a tendência de perdas e fecharam com ganhos na ordem dos 5%.

O índice de referência S&P 500 encerrou a somar 4,93% para 2.882,05 pontos, acompanhado pelo tecnológico Nasdaq que valorizou 4,95% para 8.344,25 pontos. Pelo mesmo caminho foi o industrial Dow Jones que avançou 4,89% para 25.018,16 pontos.

Esta recuperação em Wall Street acontece no dia em que Donald Trump anunciou que vai adotar “medidas importantes” para aliviar os receios dos investidores, pedindo ao Congresso um pacote de estímulos fiscais, que inclua, entre outros, um corte nos impostos, diz a Reuters (conteúdo em inglês). “A política fiscal está a dar que falar esta terça-feira”, diz David Carter, da Lenox Wealth Advisors, citado pela agência de notícias.

“Claramente alguns investidores estão a ‘pescar’ ao fundo, pensando que as ações caíram rápido demais”, acrescentou o diretor de investimentos, referindo, no entanto, que “outros ainda estão a tentar perceber a probabilidade de acontecerem estímulos fiscais de Washington”. “Ainda há uma falta de clareza quanto ao que vamos obter”.

Além disso, o mercado aguarda uma nova descida dos juros por parte da Reserva Federal norte-americana (Fed) pela segunda vez este mês. O Banco Central Europeu (BCE) tem uma reunião marcada para esta quinta-feira e também poderão surgir novidades. No Japão, foi anunciado um pacote de quatro mil milhões de dólares para combater o surto do Covid-19.

Após um dia de quedas acentuadas, onde os preços do petróleo afundaram mais de 30%, deu-se uma recuperação depois de a Rússia ter admitido que estava aberta a negociar com a OPEP. Esta terça-feira, o Brent subiu 10,22% para 37,87 dólares, enquanto o WTI cresceu 11,21% para 34,63 dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street disparou 5%, em dia de recuperação nos mercados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião