Depois da Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos anunciam aumento da produção de petróleo

  • Lusa
  • 11 Março 2020

Emirados Árabes Unidos estão prontos para aumentar a produção de petróleo em mais de um milhão de barris por dia, numa altura em que se intensifica uma guerra de preços entre a OPEP e a Rússia.

Os Emirados Árabes Unidos anunciaram esta quarta-feira que estão prontos para aumentar a produção de petróleo em mais de um milhão de barris por dia, numa altura em que se intensifica uma guerra de preços entre a OPEP e a Rússia.

Num comunicado, a Abu Dhabi National Oil Company (Adnoc) indica que, “conforme a estratégia de crescimento da capacidade de produção (…), a empresa consegue fornecer ao mercado quatro milhões de barris por dia em abril”.

“Além disso, vamos acelerar o nosso objetivo de capacidade para cinco milhões de barris por dia”, precisou a Adnoc, uma empresa pública nos Emirados, país membro da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP), que até agora produzia cerca de três milhões de barris por dia.

O anúncio da Adnoc ocorre poucas horas depois de a gigante petrolífera Saudi Aramco ter anunciado que também planeia aumentar em um milhão de barris por dia, para 13 milhões de barris por dia.

Na terça-feira, a petrolífera saudita Aramco anunciou que ia aumentar em 25,5% a produção para 12,3 milhões de barris de petróleo por dia a partir de 01 de abril, contra os 9,8 milhões de barris atualmente.

A posição de Riade e Abu Dabi, dois aliados importantes no seio da OPEP, surge num contexto de um braço de ferro com Moscovo.

Na semana passada, Moscovo recusou ceder à proposta de Riade, que lidera de facto a OPEP, de reduzir a produção de petróleo para compensar a contração da procura mundial resultante da epidemia do novo coronavírus.

Em resposta, a Arábia Saudita procedeu à mais acentuada descida dos preços em 20 anos, esforçando-se por captar as quotas de mercado de Moscovo e provocando turbulências nos mercados financeiros.

“Em resposta às condições do mercado, e para proporcionar uma melhor visibilidade aos nossos clientes, a Adnoc anunciará em breve os preços futuros para os meses de março e abril de 2020”, afirmou a companhia dos Emirados.

“Esta decisão foi tomada para que os nossos clientes tenham uma visibilidade do preço e se possam preparar de acordo”, acrescentou ainda a empresa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois da Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos anunciam aumento da produção de petróleo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião