Wall Street recupera. United Airlines dispara mais de 40%

Em mais uma sessão de alta volatilidade, as bolsas norte-americanas tentam uma recuperação ligeira. Empresas de viagens valorizam e as ações da United Airlines disparam mais de 40%.

As bolsas norte-americanas oscilam entre ganhos e perdas, em mais um dia de volatilidade nos mercados de capitais. Os sentimentos são mistos, com a mortalidade do novo coronavírus a atingir as 10.000 vítimas em todo o mundo, ao mesmo tempo que os estímulos dos bancos centrais trazem algum alívio aos investidores.

O S&P 500 já esteve a perder mais de 1%, mas tenta agora uma recuperação mais robusta, ganhando mais de 1,5%, a cotar nos 2.447 pontos. O mesmo se passou com o Dow Jones, que esteve a perder 0,38%, mas recupera agora acima de 1,8%. Apenas o tecnológico Nasdaq se tem mantido constantemente acima da linha de água, avançando 2,8%.

Uma das empresas que mais recupera é a United Airlines. Os títulos da companhia aérea disparam 41,09%, para 30,01 dólares, apesar de continuarem em mínimos de 2013. Também a empresa de cruzeiros Carnival Corporation tem sido uma das mais castigadas pela pandemia, mas avança 38% em bolsa, para 13,80 dólares por ação.

Em sentido inverso, algumas empresas de telecomunicações estão entre as que registam piores desempenhos. A Verizon desvaloriza 1,75%, para 52,65 dólares, enquanto os títulos da AT&T já esteve a afundar 8,15%, caindo agora 4,69%, para 29,69 dólares.

Perante a perceção de risco face à pandemia do coronavírus, os investidores também estão a comprar ativos de refúgio. O custo da onça de ouro ganha 1,22%, para mais de 1.497 dólares, enquanto o iene japonês valoriza face ao dólar.

(Notícia atualizada às 15h05 com bolsas a recuperarem)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street recupera. United Airlines dispara mais de 40%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião