Covid-19: Produtores pedem ao Governo reforço de tesouraria e redução da oferta

  • Lusa
  • 31 Março 2020

Os produtores defendem ainda um regime especial de eliminação por seis meses da TSU e um regime de adiamento do pagamento de IRC para todas as organizações, pequenas, médias e grandes empresas.

A Lusomorango, a Madrefruta e a Associação dos Horticultores, Fruticultores e Floricultores de Odemira e Aljezur (AHSA) pediram ao Governo a adoção de medidas excecionais para setor, face à covid-19, como a redução da oferta e reforço de tesouraria.

“Como reforço das medidas apresentadas até à data pelo Governo, e unidos pela convicção da imperiosa necessidade de adoção de medidas complementares sugerimos, de forma vigorosa e veemente” a ativação de medidas de retirada de produtos do mercado, lê-se na carta enviada aos ministros da Economia, Siza Vieira, do Trabalho, Ana Mendes Godinho e da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, e ao secretário de Estado da Agricultura, Nuno Russo.

Assim, os produtores defendem que os pequenos frutos devem ser integrados na lista de produtos perecíveis, no âmbito da legislação comunitária, permitindo a adoção de mecanismos de retirada de produtos do mercado, “adequando e regulando a oferta”, evitando paragens das empresas.

Por outro lado, defendem um regime especial de eliminação por seis meses da taxa social única (TSU) e um regime de adiamento do pagamento de IRC para todas as organizações, pequenas, médias e grandes empresas.

As organizações pedem ainda o regresso de trabalhadores estrangeiros, através de um regime especial para os colaboradores que já possuam contrato de trabalho, “comprometendo-se os produtores a manter esses trabalhadores em quarentena profilática por 15 dias”, assim como a operacionalização de uma medida que estimule os recém-desempregados portugueses de outros setores ou em regime de lay-off (redução do período de trabalho ou suspensão do contrato) a trabalharem na agricultura, particularmente, no subsetor das frutas e legumes.

“Estas medidas de caráter urgente devem ser adotadas o quanto antes. As organizações de produtores e a associação de produtores subscritores acreditam no diálogo e no compromisso e estão cientes da determinação do Governo em apoiar a economia e as empresas, pelo que solicitam o agendamento de uma audiência […] para apresentar de forma mais detalhada este conjunto de propostas”, referiram.

No documento, os produtores justificam a necessidade de adoção destas medidas com a quebra das vendas, potenciada pelo encerramento de hotéis, restaurantes e eventos, como pela mudança de patrões de consumo durante o isolamento social.

A conversão da fruta que ficou em stock implica para a indústria quebras superiores a 95%, mas nem toda a produção é absorvida, o que leva à sua destruição em aterro.

Adicionalmente, registou-se uma “redução drástica” do preço médio, por exemplo, de pequenos frutos, que caiu mais de 40%, quando comparado com o período homólogo ou com as semanas de janeiro, bem como o aumento dos custos de transporte e de operação, a que se junta uma quebra na produção por falta de colaboradores e implementação de quarentena profilática para novos trabalhadores de colheita.

“Efetuado este breve diagnóstico – que infelizmente se agravará nas próximas semanas – apelamos para que sejam tomadas medidas adicionais de apoio ao setor hortofrutícola e dos pequenos frutos, em particular […]. Não tomar estas medidas será abandonar este conjunto de empresas e de trabalhadores à sua sorte”, notaram.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 791 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 38 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 163 mil são considerados curados.

Em Portugal, segundo o balanço feito esta terça-feira pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 160 mortes, mais 20 do que na véspera (+14,3%), e 7.443 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 1.035 em relação a segunda-feira (+16,1%). Dos infetados, 627 estão internados, 188 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00h00 de 19 de março e até às 23h59 de 2 de abril. Além disso, o Governo declarou no dia 17 o estado de calamidade pública para o concelho de Ovar.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Produtores pedem ao Governo reforço de tesouraria e redução da oferta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião