OutSystems adapta escolas de low-code ao digital

Unicórnio lançou duas edições digitais, e totalmente gratuitas, da Low-Code School, já agendadas para maio e junho. Até ao final do ano, deverão surgir 500 novas vagas para programadores Outsystems.

Face à pandemia, a portuguesa OutSystems lançou duas edições online da Low-Code School, agendadas para maio e junho e totalmente gratuitas. Com as duas edições, a OutSystems pretende formar cerca de 40 programadores na utilização da sua plataforma low-code.

A primeira edição digital será para residentes em Portugal e vai decorrer entre 25 de maio e 5 de junho, e para residentes do Reino Unido e Irlanda, entre os dias 15 e 26 de junho. As vagas estão limitadas a 20 participantes e as inscrições podem ser feitas aqui.

As formações na Low-Code School têm a duração de duas semanas, em horário pós-laboral, e têm por base a formação em linguagens tradicionais na tecnologia OutSystems. Depois desta formação, a empresa líder mundial do mercado de plataformas low-code para o desenvolvimento rápido de aplicações coloca os formandos em contacto com oportunidades de trabalho em clientes e parceiros do ecossistema OutSystems.

“Acreditamos que, para um programador, aprender OutSystems é uma aposta segura, tendo em conta as centenas de postos de trabalho que existem por preencher. É por isso que, nos últimos meses, já realizámos nove edições em Lisboa, Braga, Porto, Castelo Branco, Londres e Utrecht. Com estas sessões já formámos mais de 200 programadores e, até ao final do ano, os nossos parceiros e clientes irão criar mais de 5.000 vagas para programadores OutSystems, 500 das quais em Portugal“, explica Gonçalo Gaiolas, vice-presidente de produto da OutSystems.

A Low-Code School foi lançada em outubro do ano passado, com o objetivo de formar profissionais na tecnologia OutSystems, aumentar as oportunidades de carreira para os participantes e expandir o ecossistema.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OutSystems adapta escolas de low-code ao digital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião